RESENHA CRÍTICA DO FILME "PATCH ADAMS - O AMOR É CONTAGIOSO" E SUA RELAÇÃO COM A HUMANIZAÇÃO NO CONTEXTO HOSPITALAR

  • Caroline Kochenborger Universidade do Oeste de Santa Catarina - Campus São Miguel do Oeste http://orcid.org/0000-0001-9615-7691
  • Fernanda Luiza Bühring UNOESC
  • Amanda Angonese Sebben UNOESC

Resumo

O FILME: Patch Adams - O Amor é contagioso (1998), dirigido por Tom Shadyac retrata a história de Hunter “Patch” Adams (Robin Williams) que após uma tentativa de suicídio busca internação em um hospital psiquiátrico. Neste contexto, "Patch" percebe que os profissionais envolvidos no cuidado dos internos se demonstravam pouco atenciosos no cuidado dos mesmos e descobre que consegue ajudar os pacientes de forma mais eficaz com diálogo e humanização, decidindo neste momento que queria se tornar médico então deixa a instituição e entra pra faculdade de medicina.

Na faculdade se destaca com boas notas e por seus métodos pouco ortodoxos, os quais são vistos pelo coordenador de seu curso como um "excesso de felicidade" de conotação negativa.

A partir disto, é necessário pensar em uma prática profissional mais acolhedora e que trate os pacientes não somente de forma técnica, mas que leve em consideração seu contexto biopsicossocial, visto que a saúde não é apenas a ausência de doenças e sim a interação de diversas esferas humanas.

Publicado
05-07-2019
Como Citar
Kochenborger, C., Bühring, F. L., & Sebben, A. A. (2019). RESENHA CRÍTICA DO FILME "PATCH ADAMS - O AMOR É CONTAGIOSO" E SUA RELAÇÃO COM A HUMANIZAÇÃO NO CONTEXTO HOSPITALAR. Anuário Pesquisa E Extensão Unoesc São Miguel Do Oeste, 4, e21291. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/apeusmo/article/view/21291
Edição
Seção
Área das Ciências da Vida e Saúde – Resumos expandidos