A VAQUEJADA: MANIFESTAÇÃO CULTURAL OU MAUS TRATOS AOS ANIMAIS?

  • Eduardo Henrique Ventura Unoesc - SMO
  • Marcelo Alexandre Kollenberg Jr

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo analisar, do ponto de vista legal, o esporte secular praticado na região nordeste do Brasil, sobretudo, no Estado do Ceará, conhecido por vaquejada. Esta prática consiste em uma disputa entre cavaleiros (ou vaqueiros), que “corajosamente” investem contra um animal bovino, a fim de derrubá-lo, puxando-o pela cauda. A vaquejada tem sua raiz na lida diária dos peões do sertão do Rio Grande do Norte, por volta do ano de 1870, os quais se empenhavam na busca do gado disperso pela caatinga, a fim de volve-los aos seus donos, prática que estimulava as demonstrações de agilidade, coragem e audácia por parte dos vaqueiros. O que começou por necessidade laboral, tornou-se uma prática cultural e, por fim, uma grande fonte de renda para toda a região, movimentando muitos milhares de reais para a economia, motivando a criação de leis visando legaliza-la e transformando a vaquejada em patrimônio cultural imaterial. Por outro lado, não se pode ignorar a carga de dor e estresse sofrida pelos animais submetidos a este esporte, chegando, em casos mais estremos, a seccionar suas caudas tamanha a força aplicada pelos competidores no intuito de derrubá-los o mais rápido possível.

Publicado
05-07-2019
Como Citar
Ventura, E. H., & Kollenberg Jr, M. A. (2019). A VAQUEJADA: MANIFESTAÇÃO CULTURAL OU MAUS TRATOS AOS ANIMAIS?. Anuário Pesquisa E Extensão Unoesc São Miguel Do Oeste, 4, e21222. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/apeusmo/article/view/21222
Edição
Seção
Área da Ciência Jurídica – Artigos