BRASIL EM TRABALHO DE PARTO

UM ESTUDO SOBRE A VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA

  • Jucieli Dal Pizzol de Mattos Unoesc
  • Vanderleia Mariana de Souza Unoesc

Resumo

As mulheres são vítimas de violências de gênero a muitas décadas, sendo que
na sociedade ainda existe uma ideia de submissão e desvalorização do sexo
feminino, podendo ser observados muitos tipos de violência, de vários modos
e lugares dos mais distintos. A atualidade traz como nova problemática, uma
vez que antigamente não era muito conhecida, a chamada violência
obstétrica, que está ocorrendo tanto em clínicas e hospitais públicos como
em particulares. Essa violência mata, mutila e traumatiza um grande número
das mulheres que já se submeteram a qualquer atendimento médico, sendo
que muitas delas não sabem que estão sendo violentadas, afinal, muitas são
as chamadas “mães de primeira viagem”, e acreditam que o tratamento que
estão recebendo faça parte dos procedimentos necessários para o parto.
Algumas das vítimas sofrem traumas psicológicos tão impactantes que
desenvolvem após o parto a chamada depressão pós-parto, além de outros
traumas, como pesadelos constantes e dificuldade de se relacionarem
sexualmente com o marido. Por tudo isso se faz necessário a colaboração de
todos, denunciando os casos de violência, bem como, buscando dar todo o
apoio e suporte necessário as vítimas.
Palavras-chave: Violência obstétrica. Violação de direitos. Humanização da
assistência.

Publicado
24-06-2019
Como Citar
de Mattos, J. D. P., & de Souza, V. M. (2019). BRASIL EM TRABALHO DE PARTO: UM ESTUDO SOBRE A VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA. Anuário Pesquisa E Extensão Unoesc São Miguel Do Oeste, 4, e21144. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/apeusmo/article/view/21144
Edição
Seção
Área da Ciência Jurídica – Artigos