Cefaleia: a vilã da vida universitária

  • Rodolfo Varaschin Rodrigues Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC)
  • Kelvis Mendes Moreira Universidade do Oeste de Santa catarina (UNOESC)
  • Matheus Marques Ribeiro Pereira Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Nadiane Feldkercher Universidade do Oeste de Santa Catarina

Resumo

Introdução: A cefaleia (dor de cabeça) é uma patologia multifatorial que acomete um contingente populacional cada vez maior e está ligada aos hábitos de vida de cada cidadão. Uma parcela populacional acarretada pela cefaleia são os estudantes universitários que, além dos sintomas de dor, podem apresentar prejuízos psicossociais e de rendimento acadêmico. Objetivo: Identificar os fatores do ambiente universitário que podem desencadear as crises de cefaleia nos estudantes e influenciar suas condições de saúde mental. Metodologia: Realizou-se uma pesquisa bibliográfica baseada em artigos publicados em periódicos dos quais foram retirados dados secundários. O acesso aos artigos realizou-se nas bases de dados Google Acadêmico e Scielo por meio do emprego das palavras-chave estudante universitário, cefaleia e saúde mental. Inicialmente foram localizados seis artigos e, após uma avaliação inicial, somente três foram selecionados, pois tratavam do tema em questão. Esses trabalhos foram publicados entre 2007 e 2015. Resultados: Aguiar et al. (2009, p. 35) afirmam que a “saúde mental dos profissionais de saúde constitui motivo de preocupação desde o início do século, tendo em vista o caráter estressante do trabalho em saúde. A natureza do exercício profissional e da organização desse trabalho pode concorrer para o desenvolvimento de distúrbios emocionais.” Assim, sugere-se que o cuidado com a saúde mental dos profissionais da saúde seja objeto de preocupação desde a base de suas formações profissionais, ou seja, nas escolas de ensino superior. Compreende-se que o estudante terá um bom desempenho quando gozar de um equilíbrio físico, mental e social em sua vida. Para Lopes, Führer e Aguiar (2015, p. 85), “a cefaleia é uma doença de alta prevalência que acomete indivíduos de idades variadas, e que traz grande prejuízo funcional e social ao indivíduo, afetando a produtividade, concentração e interação com o meio.” Entende-se que os sintomas da cefaleia podem ser mais exacerbados no meio universitário, visto que esses jovens estudantes estão expostos a fatores que podem levar a um agravo das dores de cabeça como: a saída precoce do acolhimento familiar, os primeiros passos para a construção de uma vida autônoma, a pressão do ambiente universitário, o período de sono-vigília menor que oito horas diárias e o consumo de bebidas alcoólicas. Segundo estudo de Catharino (2007, p. 46), “a cefaleia exerceu maior influência no rendimento escolar dos alunos do que outras variáveis como o gênero, o estado de origem, o hábito de fumar, o consumo de bebidas alcoólicas, a prática de atividades extracurriculares, o trabalho e o estresse.” Assim, observou-se que as piores crises apareceram nas pessoas que possuem os piores hábitos de vida. Conclusão: Entende-se que o devido tratamento dos sintomas da cefaleia e a consequente atenuação das crises corroboram para uma melhor qualidade de vida e um melhor rendimento do estudante. Logo, a intervenção precoce das cefaleias, tanto com mudanças leves na rotina, quanto com a prática de atividades físicas e de lazer associadas entre os períodos da faculdade, podem contribuir de maneira definitiva para que as cefaleias não atinjam a cronicidade e se tornem parte da rotina dos universitários.

Palavras-chave: Cefaleia. Saúde mental. Estudante universitário.

Referências

AGUIAR, S. M. et al. Prevalência de sintomas de estresse nos estudantes de medicina. J. Bras. Psiquiatr., Rio de Janeiro, v. 58, n. 1, p. 34-38, 2009.

CATHARINO, A. M. da S. et al. Cefaléia: prevalência e relação com o desempenho escolar de estudantes de medicina. Migrâneas Cefaléias, v. 10, n. 2, p. 46-50, 2007.

LOPES, D. C. P.; FÜHRER, F. M.-E. C.; AGUIAR, P. M. Cefaleia e qualidade de vida na graduação de Medicina. Revista Brasileira de Neurologia e Psiquiatria, v. 19, n. 2, p. 84-95, 2015.

Publicado
02-10-2018
Como Citar
Rodrigues, R. V., Moreira, K. M., Pereira, M. M. R., & Feldkercher, N. (2018). Cefaleia: a vilã da vida universitária. Anais De Medicina, (1), 33-34. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/anaisdemedicina/article/view/19038
Edição
Seção
Resumos