Perfil dos pacientes com câncer colorretal internados em Unidade de Terapia Intensiva de um hospital universitário do Meio-Oeste de Santa Catarina

  • Petra Zieher UNOESC
  • Luana Turra
  • Mariane Carolina de Almeida
  • Antuani Rafael Baptistella

Resumo

Introdução: O câncer colorretal (CCR) é a terceira neoplasia maligna mais comumente diagnosticada e a quarta principal causa de morte por câncer. Na região Sul, em homens é o terceiro mais frequente e o segundo em mulheres. Ele acomete os intestinos grosso e reto e é influenciado principalmente pela adoção de maus hábitos de vida. A cirurgia é um dos principais métodos utilizados para o tratamento da doença, e, consequentemente, a internação em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) tem sido cada vez mais frequente, passando a ser um suporte importante. Objetivo: Identificar o perfil clínico e demográfico, tempo de internação e desfecho dos pacientes com câncer colorretal internados na UTI do Hospital Universitário Santa Terezinha de Joaçaba, SC, no período de abril a novembro de 2017, por meio de consulta aos prontuários. Metodologia: Trata-se de um estudo observacional, prospectivo, de caráter quantitativo. Resultados: Foi constatado que dos 20 pacientes com CCR, 11 (55%) eram do sexo masculino e 9 (45%) do feminino, 20 (100%) eram indivíduos brancos e em sua maioria casados (14 – 70%), com idade média de 63,8 anos, sendo máxima de 88 anos e mínima de 34 anos. Em relação aos hábitos de vida, 5 (25%) eram tabagistas e 3 (15%) etilistas. As comorbidades prévias mais prevalentes foram a Hipertensão Arterial Sistêmica (9 – 45%) e Diabete Mellitus (3 – 15%). Quanto aos tratamentos mais utilizados destacam-se a cirurgia oncológica, realizada em 10 (50%) pacientes, e a cirurgia oncológica associada à quimioterapia, (7 – 35%). Sobre os recursos terapêuticos na terapia intensiva, 8 (40%) utilizaram sedativos, 8 (40%) oxigenoterapia, 7 (35%) Ventilação Mecânica Invasiva, 14 (70%) Acesso Venoso Central, 17 (85%) Sonda Vesical de Demora, 5 (25%) Sonda Nasogástrica e 5 (25%) Sonda Nasoenteral. O tempo de internação em média foi de cinco dias, sendo no mínimo um e no máximo 31 dias. O índice de alta da UTI foi de 14 (70%) e de óbito 6 (30%). Conclusão: Com tais resultados, pode-se inferir que os pacientes com CCR internados na UTI são na maioria idosos, em período pós-operatório de cirurgia oncológica e que utilizam uma importante quantidade de recursos terapêuticos, tendo como desfecho mais frequente a alta da unidade de terapia intensiva.

Palavras-chave: Neoplasias colorretais. Unidades de Terapia Intensiva. Perfil de saúde.

Referências

SOARES, Marcio. Medidas simples reduzem risco de morte de pacientes com câncer em UTIs. Revista Onco. Ago. 2016. Disponível em:<http://revistaonco.com.br/medidas-simples-reduzem-risco-de-morte-de-pacientes-com-cancer-em-utis/>. Acesso em: 18 jul. 2018.

INCA. Estimativas 2018: Incidência de Câncer no Brasil. Rio de Janeiro, 2018. Disponível em:< http://www.inca.gov.br/estimativa/2018/estimativa-2018.pdf>. Acesso em: 14 jun. 2018.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Ações de enfermagem para o controle do câncer. 3. Ed. Ver. E ampl. Rio de janeiro. 2008. 601p. Disponível em:< http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/acoes_enfermagem_controle_cancer.pdf>. Acesso em 18 jun. 2018.

Publicado
02-10-2018
Como Citar
Zieher, P., Turra, L., Almeida, M., & Baptistella, A. (2018). Perfil dos pacientes com câncer colorretal internados em Unidade de Terapia Intensiva de um hospital universitário do Meio-Oeste de Santa Catarina. Anais De Medicina, (1), 77-78. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/anaisdemedicina/article/view/18907
Edição
Seção
Resumos