Percepção dos fatores motivacionais de Maslow no contexto organizacional

  • Ivonez Xavier de Almeida UNOESC
  • Franciel Levi Schelske Unoesc
  • Ardinete Rover Unoesc
Palavras-chave: Motivação, Fatores motivacionais, Teoria das Necessidades de Maslow

Resumo

O artigo se propôs a identificar em que nível os fatores motivacionais descritos por Abraham Maslow são percebidos em uma determinada organização. Inicialmente foram relacionadas as características de cada nível da Pirâmide com o ambiente fora e dentro do contexto do trabalho. A empresa escolhida para a realização da pesquisa se situa no Oeste de Santa Catarina e tem como atividade principal o comércio supermercadista. O instrumento de pesquisa utilizado foi um questionário estruturado e aplicado aos colaboradores que ocupam cargos de liderança dentro da referida organização. A população abrangia 45 lideranças, e a amostra final foi composta por 40 respondentes. Os resultados mais relevantes da pesquisa apontam para uma satisfação geral em todos os fatores motivacionais avaliados, sendo apenas o fator Remuneração (que integra o nível das necessidades de segurança) o que teve maior divergência de opiniões. Os níveis referentes às necessidades sociais e de estima apresentaram os melhores resultados na amostra estudada. Conclui-se, no âmbito dessa amostra, que há uma satisfação elevada quanto à percepção dos fatores motivacionais no grupo de lideranças da organização avaliada.

Referências

ANDREASI, D. Pirâmide das Necessidades de Maslow. Jovem Administrador, [S.l.], 2011. Disponível em: http://jovemadministrador.com.br/consumismo-x-piramide-de-maslow-uma-outra-visao-da-teoria/. Acesso em: 3 set. 2017.

BERGAMINI, C. W. Motivação nas Organizações. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

CARDOZO, C. G.; SILVA, L. O. S. A importância do relacionamento interpessoal no ambiente de trabalho. Interbio, Mato Grosso do Sul, v. 8, n. 2, p. 24-34, jul./dez, 2014. Disponível em: http://www.unigran.br/interbio/paginas/ed_anteriores/vol8_num2/arquivos/artigo3.pdf. Acesso em: 15 set. 2017.

CHIAVENATO, I. Comportamento Organizacional: A dinâmica do sucesso nas organizações. São Paulo: Thomson, 2004a.

CHIAVENATO, I. Gestão de Pessoas: O novo papel dos Recursos Humanos nas organizações. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004b.

CHIAVENATO, I. Recursos Humanos. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

DUTRA, J. S. Gestão de Pessoas: modelos, processos, tendências e perspectivas. São Paulo: Atlas, 2002.

HERMETO, C. M.; MARTINS, A. L. O livro da psicologia. São Paulo: Globo, 2012.

LUCAS, L. da S.; DAL’COL, S. C. Os fatores motivacionais que podem influenciar no desempenho dos funcionários da empresa X. Revista Científica Semana Acadêmica, Fortaleza, ano MMXIII, n. 23, jul. 2013. Disponível em: http://semanaacademica.org.br/system/files/artigos/artigofatoresmotivacionais.pdf. Acesso em: 1 set. 2017.

MACHADO, M. M.; BIANCHI, G. Motivação organizacional: estudo de caso em prestadora de serviço em Blumenau – SC. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v. 2, n. 3, p. 1-25, 2008. Edição Especial. Disponível em: http://rica.unibes.com.br/index.php/rica/article/view/182/175. Acesso em: 1 set. 2017.

MARQUES, J. R. A importância do feedback positivo e negativo na empresa. Portal IBC, Goiânia, 2016. Disponível em: http://www.ibccoaching.com.br/portal/coaching-carreira/feedback-positivo-negativo-sempre-importante/. Acesso em: 15 set. 2017.

MAXIMIANO, A. C. A. Introdução à Administração. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

NEUMANN, L. Supermercados de SC projetam alta de apenas 1%, mas abertura de unidades está mantida em 2017. Diário Catarinense, Florianópolis, 19 jun. 2017. Economia. Disponível em: http://dc.clicrbs.com.br/sc/noticias/noticia/2017/06/supermercados-de-sc-projetam-alta-de-apenas-1-mas-abertura-de-unidades-esta-mantida-em-2017-9819205.html. Acesso em: 15 set. 2017.

OLIVEIRA, F. G. Intervalo intrajornada: descanso necessário. Gazeta Digital, Mato Grosso, 7 mar. 2016. Opinião. Disponível em: http://www.gazetadigital.com.br/conteudo/show/secao/60/materia/471711/t/intervalo-intrajornada-descanso-necessario. Acesso em: 8 set. 2017.

OLIVEIRA, S. L. Sociologia das organizações. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.

PARODI, K. Engajamento: o grande desafio das organizações. Harvard Business Review, São Paulo, jan. 2015. Disponível em: http://hbrbr.uol.com.br/engajamento-o-grande-desafio-das-organizacoes/. Acesso em: 8 set. 2017.

REGIS, L. F. L. V.; PORTO, I. S. A equipe de enfermagem e Maslow: (in)satisfações no trabalho. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, DF, v. 59, n. 4, p. 565-568, jul./ago. 2006. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Isaura_Porto/publication/6465502_The_nursing_team_and_Maslow_dissatisfaction_in_the_work/links/00b7d53c7435e0d9b1000000.pdf. Acesso em: 17 set. 2017.

ROBBINS, S. P. Comportamento Organizacional. 9. ed. São Paulo: Prentic Hall, 2002.

SAMPAIO, J. dos R. A gestão de pessoas e a motivação: o Maslow desconhecido. HSM Management, São Paulo, n. 25, out. 2005. Disponível em: https://pt.scribd.com/document/181875642/A-gestao-de-pessoas-e-a-motivacao-o-Maslow-desconhecido-por-Jader-dos-Reis-Sampaio-HSM-pdf. Acesso em: 4 set. 2017.

STRIEDER, R. Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa. Joaçaba: Ed. Unoesc, 2009.

Publicado
28-06-2019
Como Citar
de Almeida, I. X., Schelske, F. L., & Rover, A. (2019). Percepção dos fatores motivacionais de Maslow no contexto organizacional. Unoesc & Ciência - ACSA, 10(1), 37-44. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/acsa/article/view/15915