A CONSTRUÇÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS NA PERSPECTIVA DE ARTISTAS CIRCENCES

Autores

  • Micheli Carla Bortolotti Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Itamara Scariot Brutscher Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Ângela Maria Bavaresco Universidade do Oeste de Santa Catarina

Resumo

O circo vive em constante mudança; nessa sua constante mobilidade vários contatos, laços e comunicações são criados. Diante disso, no presente estudo se abordaram questões referentes a artistas circenses, face à sua mobilidade e itinerância, analisando suas relações sociais. Não podemos esquecer que esses artistas têm sentimentos; porém sua vida foge de um contexto que se julga normal, em razão do tempo que ficam em cada município. Dessa maneira, dirige-se uma visão a esses indivíduos, que participam da sociedade e também a constituem. Utilizando para tal o método qualitativo, seguindo o modelo de análise de conteúdo de Bardin (2000), constatou-se que, independente do modo de vida, da cultura, dos costumes e do local onde se está inserido, as relações sociais se manifestam, se constroem e desconstroem, como um processo natural da vida humana, e que artistas circenses, de um modo geral, são pessoas com facilidade de comunicação. Existem, sim, barreiras na construção desses relacionamentos, o preconceito, a aceitação e a distância. Porém, a vida nômade aliada às tecnologias, aos diferentes meios de comunicação, gera amizades e relações concretas e de longo prazo. Fica claro que as construções das relações sociais se sobrepõem a certas limitações, e que o ser humano é sociável, capaz de criar maneiras e ser flexível na formação e no estabelecimento de seus relacionamentos.

Palavras-chave: Circo. Artista circense. Relações sociais.    

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2015-11-27

Como Citar

Bortolotti, M. C., Scariot Brutscher, I., & Bavaresco, Ângela M. (2015). A CONSTRUÇÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS NA PERSPECTIVA DE ARTISTAS CIRCENCES. Unoesc & Ciência - ACHS, 6(2), 117–124. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/achs/article/view/7800