Concepções de formação continuada e suas relações históricas

  • Loriene Carla Ramon Venazzi Unioeste - FB
Palavras-chave: Formação continuada, Formação inicial, Formação em contexto, Formação centralizada e descentralizada

Resumo

O presente trabalho trata do resgate histórico da formação continuada para professores (FCP) e de suas principais nomenclaturas ao longo da década de 80, 90 e anos 2000. Com o objetivo de contextualizar a FCP nas últimas três décadas (1980 a 2010), suas relações com o projeto sócio ideológico e buscando entender como as políticas públicas foram estruturadas para a formação do professor. Para isso, realizou-se um aparado histórico da FCP por meio de revisão bibliográfica e de alguns documentos.  Formação inicial e continuada, formação em serviço, formação em contexto, formação centralizada e descentralizada são conceitos relevantes para a discussão do tema, pois trazem a reflexão sobre o contexto e os sujeitos envolvidos. A análise fundamenta-se em autores que pesquisaram a formação continuada no período pesquisado. A discussão caracteriza os aspectos históricos da formação continuada, traz aspectos pertinentes do contexto político de cada época e apresenta as políticas públicas empenhadas no desenvolvimento da FCP.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALFERES, Maria Aparecida. Formação continuada de professores alfabetizadores: uma análise crítica do programa pró-letramento. 2009. 159f. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2009
ALMEIDA, Benedita de. A escrita funcional do professor como ferramenta para qualificação do ensino e da aprendizagem. In: PENTEADO, Heloísa Dupas; GARRIDO, Elsa (orgs.). Pesquisa-ensino: a comunicação escolar na formação do professor. São Paulo: Paulinas, 2010.
ANDRÉ, Marli et al. Estado da arte da formação de professores no Brasil. Revista de Ciência da Educação. Campinas, v. 20, n. (68), 1999. Disponível em: . Acesso em: 30/05/17.
BARRETTO, Elba Siqueira de Sá. Tendências recentes do currículo do ensino fundamental do Brasil. In: BARRETTO, Elba Siqueira de Sá (Org.). Os currículos do ensino para as escolas brasileiras. Campinas, SP: Fundação Carlos Chagas, 2015. p. 05-42.
BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases Nacional. Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental.
CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber às práticas educativas. São Paulo: Cortez, 2013.
CHIZZOTTI, Antonio; PONCE, Branca Jurema. O currículo e os sistemas de ensino no Brasil. Currículo sem Fronteiras. v. 12. n.3, p.25-36, Set/Dez 2012.
CONTRERAS, José. Autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.
FALLEIROS, Ialê. Parâmetros curriculares nacionais para a educação básica e a construção de uma nova cidadania. In: NEVES, Lúcia Maria Wanderley. A nova pedagogia da hegemonia. Estratégias do capital para educar o consenso. São Paulo: Xamã, 2005, p. 209-235.
FERREIRA, Fernando Ilídio. A formação e os seus efeitos: do modelo escolar à formação em contexto. In: FORMOSINHO, J. O. (Org.). Associação criança: um contexto de formação em contexto. Braga: Livraria Minho, 2000. Cap. 3, p. 63-79.
FLORIANI, Ana Cristina Barreto. As concepções de formação continuada de professores no âmbito das políticas para a Educação Infantil a partir da década de 1990. 2008. 162f. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.
GADOTTI, Moacir. Educação popular e educação ao longo da vida. 2016. Disponível in: . Acesso em: 29 out. 2017. p.4.
GATTI, Bernardete Angelina; BARRETTO, Elba Siqueira de Sá. A formação continuada em questão. In: GATTI, Bernardete Angelina; BARRETTO, Elba Siqueira de Sá. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 2009, p.199- 235.
MARCELO, Carlos. Desenvolvimento Profissional Docente: passado e futuro. Revista de Ciências da Educação. Sevilha, n.º 8 · jan/abr 09, p. 10.
MARIN, Alda Junqueira. Educação continuada: introdução a uma análise de termos e concepções. Caderno Cedes - Centro de Estudos Educação e Sociedade. Educação Continuada. Papirus Editora. Campinas – SP, 1. ed. 1995.
MARTINS, Angela. A descentralização como eixo das reformas do ensino: uma discussão da literatura. Educação e Sociedade, ano XXII, nº77, Dezembro/2001.p.28-48. MELLO, Maria Aparecida; BASSO, Itacy Salgado. Formação continuada de professoras de Educação Infantil na perspectiva histórico-cultural: a atividade mediada em processos colaborativos. In: MIZUKAMI, Maria da Graça Nicoletti; REALI, Aline Maria de Medeiros (Org.). Formação de professores, práticas pedagógicas e escola. São Carlos, SP: EdUFSCar, 2002, p 292.
PENTEADO, Heloísa Dupas. Pesquisa-ensino e formação de professores. In: PENTEADO, Heloísa Dupas; GARRIDO, Elsa (orgs.). Pesquisa-ensino: a comunicação escolar na formação do professor. São Paulo: Paulinas, 2010. (coleção educação em foco).
RAMOS, Marise Nogueira. A pedagogia das competências: autonomia ou adaptação? São Paulo: Cortez, 2011.
ROMANOWSKI, Joana Paulin. Formação e profissionalização docente. 4. ed. Curitiba: Ibpex, 2010.
Publicado
29-06-2020
Como Citar
Venazzi, L. C. R. (2020). Concepções de formação continuada e suas relações históricas . Unoesc & Ciência - ACHS, 10(2), 121-130. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/achs/article/view/21404