Uma língua que não se deixa imobilizar: os processos fonológicos e a noção de língua da análise do discurso

Palavras-chave: Processos fonológicos, Língua, Fonologia do Português Brasileiro

Resumo

Este estudo, ancorado no arcabouço teórico da Fonologia e da Análise do Discurso de escola franco-brasileira, busca investigar a ocorrência de processos fonológicos que podem alterar ou acrescentar traços articulatórios, eliminar ou inserir segmentos e a classificação desses processos fonológicos em função das alterações que ocorrem nos segmentos (SEARA et al., 2017). Este estudo auxilia a compreensão de que as línguas são dinâmicas e não cabem nas coerções das normas, pois se constatou a ocorrência de muitos processos fonológicos a partir do corpus analisado. Nesse entremeio, inferimos que o entrelaçamento desses conhecimentos pode contribuir com o embate contra o preconceito linguístico.

Biografia do Autor

Rossaly Beatriz Chioquetta Lorenset, Universidade do Oeste de Santa Catarina - Xanxerê
Doutoranda em Línguística pela Universidade Federal de Santa Catarina; Mestra em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal da Fronteira Sul; Professora de Língua Portuguesa da Universidade do Oeste de Santa Catarina - Xanxerê nos cursos de Administração, Arquitetura e Urbanismo, Design, Direito, Engenharia Civil, Farmácia, Letras e Pedagogia.

Referências

AUTHIER-REVUZ, J. Heterogeneidade mostrada e heterogeneidade constitutiva: elementos para uma abordagem do outro no discurso. In: AUTHIER-REVUZ, J. Entre a transparência e a opacidade: um estudo enunciativo do sentido. Porto Alegre: Edipucrs, 2004. p. 11-80.

CAMARANI, A. L. S. Charles Nodier: em busca do texto definitivo. Linguagem – Estudos e Pesquisas, Catalão, v. 4-5, 2004.

CAMARANI, A. L. S. Os Problemas da Tradução Literária: La Fée aux Miettes de Charles Nodier, paper, 2009.

DIAS, L. F. O nome da língua no Brasil: uma questão polêmica. In: ORLANDI, E. P. História das ideias linguísticas: construção do saber metalinguístico e constituição da língua nacional. Campinas, SP: Pontes; Cárceres, MT: Unimat, 2001. p. 185-198.

FERREIRA, M. C. O quadro atual da Análise do Discurso no Brasil. In: INDURSKY, F.; FERREIRA, M. C. (org.). Michel Pêcheux e a Análise do Discurso: uma relação de nunca acabar. São Carlos: Claraluz, 2005. p. 13-22.

FURLANETTO, M. M. Do discurso monológico da consciência aos gêneros do discurso. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 10, n. 2, p. 301-324, 2010.

GADET, F.; PÊCHEUX, M. A língua inatingível: o discurso na história da linguística. Tradução: Bethânia Mariani e Maria Elizabeth Chaves de Mello. 2. ed. Campinas, SP: Editora RG, 2010.

HENRY, P. Sentido, sujeito, origem. In: ORLANDI, E. P. (org.). Discurso fundador. 3. ed. Campinas, SP: Pontes, 2003. p. 151-162.

LORENSET, R. B. C. A noção de língua para a análise de discurso. Unoesc & Ciência – ACHS, Joaçaba, v. 4, n. 2, p. 157-168, jul./dez. 2013.

ORLANDI, E. P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 10. ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2012.

ORLANDI, E. P. (org.). Discurso fundador. 3. ed. Campinas, SP: Pontes, 2003.

ORLANDI, E. P. Ética e Política Linguística. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP: Pontes Editores, v. 1, n. 1, p. 7-22, 1998.

ORLANDI, E. P. Língua brasileira e outras histórias: discurso sobre a língua e ensino no Brasil. Campinas, SP: Editora RG, 2009.

ORLANDI, E. P. Língua e conhecimento linguístico: para uma história das ideias no Brasil. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2013.

ORLANDI, E. P.; SOUZA, T. C. C. de. A língua imaginária e a língua fluida: dois métodos de trabalho com a linguagem. In: ORLANDI, E. P. (org.). Política linguística na América Latina. Campinas, SP: Pontes, 1998.

PAYER, M. O. Memória da língua. Imigração e nacionalidade. 1999. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 1999.

PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento. 6. ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2012.

PFEIFFER, C. C. Bem dizer e retórica: um lugar para o sujeito. 2000. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000.

SCHERER, A. E. A constituição do eu e do outro pela interpelação da língua pela língua na história do sujeito. Porto Alegre: UFRGS/CD II SEAD, 2005.

SEARA, I. et al. Para conhecer Fonética e Fonologia do Português Brasileiro. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2017.

VELOSO, C. Letra só; sobre as letras. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

YAVAS, M.; HERNANDORENA, C. L. M.; LAMPRECHT, R. R. Avaliação fonológica da criança. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.

ZOPPI-FONTANA, M. O português como língua transnacional. In: ZOPPI-FONTANA, M. (org.). O português do Brasil como língua transnacional. Campinas, SP: Editora RG, 2009. p. 13- 41.

Publicado
28-05-2019
Como Citar
Lorenset, R. (2019). Uma língua que não se deixa imobilizar: os processos fonológicos e a noção de língua da análise do discurso. Unoesc & Ciência - ACHS, 10(1), 63-72. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/achs/article/view/19969