Do Haiti a São Miguel do Oeste: reflexões sobre o trajeto, chegada e inserção local de haitianos

Autores

  • Ana Paula Risson Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc)
  • Aline Bogoni Costa Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc)
  • Sandro Rodrigo Steffens Universidade do Oeste de Santa Catarina – UNOESC
  • Ângela Maria Bavaresco Universidade do Oeste de Santa Catarina – UNOESC
  • Ana Luiza Toaldo Nardi Universidade do Oeste de Santa Catarina – UNOESC.
  • Bruna Lunardi Belegante Universidade do Oeste de Santa Catarina – UNOESC.

Palavras-chave:

Imigração internacional, Haitianos, História de vida, Trajeto, Inserção social

Resumo

As migrações são compreendidas como fenômenos que acompanham a história da humanidade. Diante do cenário atual das migrações no Brasil, este estudo teve como objetivo analisar, a partir de histórias de vida, o trajeto, a chegada e a inserção local de haitianos residentes em São Miguel do Oeste (SC). A pesquisa contou com a participação de três haitianos residentes nesta cidade. A metodologia escolhida foi a história de vida e os dados foram analisados a partir da análise de conteúdo. Como resultados identificamos que os haitianos chegaram a São Miguel do Oeste pela contratação de imigrantes realizadas pelas empresas locais em Brasileira ou pela rede de contato entre os haitianos. A inserção local dos imigrantes haitianos é composta por experiências positivas e negativas, a qual ainda está em processo de construção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Risson, Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc)

Psicóloga, pós-graduada em Gestão de Pessoas e mestra em Ciências da Saúde. Professora do Curso de Psicologia, da Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc), campi de São Miguel do Oeste.

Aline Bogoni Costa, Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc)

Docente e pesquisadora do curso de Psicologia da Universidade do Oeste de Santa Catarina – UNOESC. Pesquisadora no Laboratório de Psicologia Positiva nas Organizações e no Trabalho -LAPPOT/UFSC. Doutora em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina.

Sandro Rodrigo Steffens, Universidade do Oeste de Santa Catarina – UNOESC

Psicólogo. Mestre em Desenvolvimento, Organizações e Cidadania pela Universidade do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, UNIJUÍ.  Docente do Curso de Psicologia e Coordenador da Clínica de Psicologia da Universidade do Oeste de Santa Catarina – UNOESC, Campi de São Miguel do Oeste.

 

Ângela Maria Bavaresco, Universidade do Oeste de Santa Catarina – UNOESC

Psicóloga. Docente do curso de Psicologia da UNOESC. Mestre  em Ciências da Saúde Humana pelaUniversidade do Contestado. 

Ana Luiza Toaldo Nardi, Universidade do Oeste de Santa Catarina – UNOESC.

Graduanda em Psicologia da Universidade do Oeste de Santa Catarina – UNOESC. 

Bruna Lunardi Belegante, Universidade do Oeste de Santa Catarina – UNOESC.

Graduanda em Psicologia da Universidade do Oeste de Santa Catarina – UNOESC.

Referências

BAEINGER, R.; PERES, R. Migração de crise: a migração haitiana para o Brasil. Revista Brasileira de Estudos Populacionais, Belo Horizonte, v. 34, n. 1, p. 119-143, jan./abr. 2017.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BARROS, A. F. O.; MARTINS BORGES, L. Reconstrução em movimento: Impactos do terremoto de 2010 em imigrantes haitianos. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 38, n. 1, p. 157-171, 2018.

BRYCESON, D.; VUORELA, U. The Transnational Family: New European Frontiers and Global Networks. Berg Publishers, 2002. 276 p.

CAVALCANTI, L.; OLIVEIRA, A. T.; TONHATI, T. (org.) A Inserção dos Imigrantes no Mercado de Trabalho Brasileiro. Cadernos OBMigra, Ed. Especial, Brasília, 2016.

CIAMPA, A. C. A estória do Severino e a história da Severina. São Paulo: Brasiliense,

COGO, D. M.; SOUZA, M. B. Guia das migrações transnacionais e diversidade cultural para comunicadores: migrantes no Brasil. Bellaterra: Instituto Humaitas Unisinos/Instituto de la Comunicación de la UAB, 2013. 105 p.

COSTA, G. Memória da chegada de imigrantes haitianos a Manaus, 2010- 2014: presença da Pastoral do Migrante. In: Cadernos de Migração. São Paulo: Centro de Estudos Migratórios, n. 8, 2016.

DANTAS, S. Psicologia social e saúde: da dimensão cultural à político institucional. In: GUANAES-LORENZI et al. Psicologia Social e Saúde: da dimensão cultural à político-institucional. Florianópolis: Abrapso, 2015. p. 72-91.

FERNANDES, D.; CASTRO, M. C. G. Relatório do Projeto “Estudos sobre a Migração Haitiana ao Brasil e Diálogo Bilateral”. Belo Horizonte: TEM/IOM-OIM/PUC Minas/Gedep, 2014.

GOMES, M. A. Os Impactos subjetivos dos fluxos migratórios: os haitianos em Florianópolis. Psicologia & Sociedade, Belo Horizonte, v. 29, n. 1, p. 1-11, 2017.

HANDERSON, J. Diaspora. Sentidos sociais e mobilidades haitianas. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 21, n. 43, p. 51-78, 2015.

LOUIDOR, W. E. Haiti por si: a reconquista da independência roubada. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2013. p. 12-44.

MAGALHÃES, L. F. A. A imigração haitiana em Santa Catarina: perfil sociodemográfico do fluxo, contradições da inserção laboral e dependência de remessas no Haiti. Tese (Doutorado em Demografia) – Departamento de Demografia, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, 2017.

MAGALHÃES, L. F. A.; BÓGUS, L. M. M.; BAENINGER, R. Migrantes haitianos e bolivianos na cidade de são paulo: transformações econômicas e territorialidades migrantes. REMHU, Rev. Interdiscip. Mobil. Hum., Brasília, v. 26, n. 52, p. 75-94, 2018.

MARTINE, G. A globalização inacabada: migrações internacionais e pobreza no século 21. São Paulo Perspec, v. 19, n. 3, p. 3-22, 2005.

PESSAR, P.; MAHLER, S. Transnational migration: bringin gender. In: International Migration Review, v. 37, n. 3, p. 812-846, 2003.

RAMOS, É. P. Refugiados ambientais: em busca de reconhecimento pelo direito internacional. 2011. 150 f. Tese (Doutorado Direito Internacional) – Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, São Paulo.

RISSON, A. P. Cartografia da atenção à saúde de imigrantes haitianos residentes em Chapecó – SC. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) – Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó), Chapecó, 2016.

RISSON, A. P.; DAL MAGRO, M. L. P.; LAJÚS, M. L. S. Imigração e trabalho precário: reflexões acerca da chegada da população haitiana no oeste de Santa Catarina. Périplos, Brasília, v. 1, n. 1, p. 144 – 152, 2017.

SASSEN, S. Dos enclaves en las geografías globales contemporáneas del trabajo. In: ARAGONÉS, A. M. (org.). Mercado de Trabajo y migracíón internacional. México: UNAM, Instituto de Investigaciones Económicas, 2011.

SAYAD, A. A Imigração ou os paradoxos da alteridade. São Paulo: Editora Universidade de São Paulo, 1998.

SPINDOLA, T.; SANTOS, R. S. Trabalhando com a história de vida: percalços de uma pesquisa(dora?). Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 37, n. 2, 119-126, 2003.

TOPA, J.; NEVES, S.; NOGUEIRA, C. Imigração e saúde: a (in)acessibilidade das mulheres imigrantes aos cuidados de saúde. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 22, n. 2, p. 328-341, 2013.

ZENI, K.; FILIPPIM, E. S. Migração haitiana para o Brasil: acolhimento e políticas públicas. Pretexto, Belo Horizonte, v. 15, n. 2, p. 11 – 27, abr./jun. 2014.

Downloads

Publicado

29-06-2020

Como Citar

Risson, A. P., Costa, A. B., Steffens, S. R., Bavaresco, Ângela M., Nardi, A. L. T., & Belegante, B. L. (2020). Do Haiti a São Miguel do Oeste: reflexões sobre o trajeto, chegada e inserção local de haitianos. Unoesc &Amp; Ciência - ACHS, 10(2), 131–140. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/achs/article/view/19706