A perspectiva de pertencimento familiar para adolescentes institucionalizados

  • Sheila Cristina Teixeira UNOESC
  • Leonora Vidal Spiller UNOESC

Resumo

No presente artigo teve-se por objetivo compreender a percepção de pertencimento familiar em adolescentes institucionalizados. Pertencer a uma família pode dizer respeito ao quanto a criança ou o adolescente recebeu a devida atenção e cuidados por parte dos pais ou responsáveis. O fato de ser institucionalizados pode, ou não, afetar o sentimento de pertencer ainda à família, até pela ideia que as crianças e adolescentes têm que os pais irão buscá-los, visto que o abrigo é algo que deveria ser provisório. Para melhor entendimento foram abordados os temas como suporte familiar, vínculos afetivos e motivos que levam os adolescentes à institucionalização. Com o intuito de alcançar resultados mais satisfatórios, a pesquisa foi qualitativa e exploratória, o método de coleta de dados foi um estudo de caso e a análise destes realizou-se por meio do método de análise de conteúdo. Os sujeitos foram quatro adolescentes institucionalizados, com idades de 12 a 16 anos. Pode-se notar que a percepção de pertencimento existe para os adolescentes e, está ligada ao afeto que receberam, durante o acolhimento ou, por meio de sua família de origem. O que se evidenciou é a dificuldade em identificar à qual família pertencem, se é ao abrigo ou à família em que estão afastados temporariamente. Isso, possivelmente, por não terem recebido o suporte familiar considerado adequado.

Palavras-chave: Adolescentes institucionalizados. Família. Pertencer.

Biografia do Autor

Sheila Cristina Teixeira, UNOESC
Psicóloga
Leonora Vidal Spiller, UNOESC
Psicóloga, especialista em Psicopedagogia e Psicologia do Trânsito, mestranda em Psicologia e  professora do curso de Psicologia da UNOESC
Publicado
20-12-2018
Como Citar
Teixeira, S., & Spiller, L. (2018). A perspectiva de pertencimento familiar para adolescentes institucionalizados. Unoesc & Ciência - ACHS, 9(2), 113-118. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/achs/article/view/16801