MOBILIDADE DE POTÁSSIO EM SOLOS SOB DIFERENTES DOSES E FORMAS DE APLICAÇÃO E POTENCIAL DE RENDIMENTO DA CULTURA DA SOJA (Glycine max (L.) Merrill.)

  • Daniel Henrique Zuffo UNOESC
  • Sibila Renner UNOESC
  • André Sordi Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Alceu Cericato UNOESC
  • Kelly Fioreze UNOESC
  • Cristiano Reschke Lajús UNOESC
Palavras-chave: Desempenho, Aplicação, Cloreto de potássio

Resumo

O potássio (K) é o segundo nutriente de maior demanda na cultura da soja e exerce funções vitais e melhora o desempenho da lavoura.  O aumento da produtividade acarretou a elevação das doses de aplicação, acarretando algumas mudanças nas formas de aplicação desse nutriente. O trabalho teve por objetivo analisar a mobilidade de potássio no solo e potencial de rendimento da soja decorrente da adição de doses de cloreto de potássio submetida a diferentes formas de aplicação. O experimento foi conduzido na safra 2017/2018, na área experimental da Propriedade Renner, interior de Maravilha, SC.  O experimento foi conduzido em delineamento de blocos casualizados em esquema fatorial 3x4, com quatro doses de cloreto de potássio (KCl), (0, 50, 100 e 150% da dose de K2O) e três formas de aplicação (a lanço antes da semeadura da soja; na base, no sulco de semeadura; e aplicação em cobertura depois da semeadura). Foram avaliados: massa de mil sementes de soja, rendimento da soja, número de vagens por planta, número de grãos por vagem e o teor de K no solo nas camadas de 0-10 e 10-20 cm. A forma de dose de aplicação de K não interferiu no rendimento da cultura, justificando a aplicação na base e acarretando menor custo ao agricultor e menor amassamento da cultura.

Biografia do Autor

Daniel Henrique Zuffo, UNOESC

Engenheiro agrônomo pela Universidade do Oeste de Santa Catarina de Maravilha/SC

Sibila Renner, UNOESC

Engenheira agrônoma pela Universidade do Oeste de Santa Catarina de Maravilha/SC. 

André Sordi, Universidade do Oeste de Santa Catarina
Engenheiro Agrônomo. Msc em Ciências do Solo.
Alceu Cericato, UNOESC

Doutor em Administração pela Universidade Nacional de Missiones; Mestre em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina; Professor do Curso de Agronomia na Universidade do Oeste de Santa Catarina de Maravilha/SC

Kelly Fioreze, UNOESC

Acadêmica do curso de agronomia da Universidade do Oeste de Santa Catarina

Cristiano Reschke Lajús, UNOESC

Professor Dr. do curso de Agronomia, Universidade do Oeste de Santa Catarina

Referências

BATISTELLA FILHO, F. et al. Adubação com fósforo e potássio para produção e qualidade de sementes de soja. 2013. Pesq. agropec. bras., Brasília, v. 48, n. 7, p. 783-790, jul. 2013

BERTOL, I. et al. Perdas de fósforo e potássio por erosão hídrica em um inceptisol sob chuva natural. R. Bras. Ci. Solo, v. 28, p. 485-494, 2004

BORKERT, C. M. et al. O potássio na cultura da soja. In: YAMADA, T.; ROBERTS, T. L. Potássio na agricultura brasileira. Piracicaba: POTAFÓS, 2005. p. 671-713.

ERNANI, P. R.; ALMEIDA, J. A.; SANTOS, F. C. Potássio. In: NOVAIS, R. F. et al. (ed.). Fertilidade do solo. Viçosa: SBCS, 2007. p. 551-594.

ERNANI, P. R. et al. Mobilidade vertical de cátions influenciada pelo método de aplicação de cloreto de potássio em solos com carga variável. R. Bras. Ci. Solo, v. 31, p. 393-402, 2007.

MALAVOLTA, E. Manual de nutrição mineral de plantas. São Paulo: Agronômica Ceres, 2006.

MASCARENHAS, H. A. A. et al. Zinco nas folhas de soja em função da calagem. Bragantia, v. 47, n. 1, p. 137-142, 1988.

MILANESI, J. H. Adubação da cultura da soja baseada nos teores mínimos de fósforo e potássio no solo. 2015. Dissertação (Mestrado em Agricultura de Precisão) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2015.

NOVAIS, R. de et al. Fertilidade do solo. 1. ed. Viçosa, MG: Sociedade brasileira de Ciência do solo, 2007.

OLIVEIRA, F. A. et al. Fertilidade do solo e nutrição mineral da soja. Londrina: Embrapa Soja, 2008. (Embrapa Soja. Circular técnica, 62).

SANTOS, H. G. dos et al. Sistema Brasileiro de Classificação de solos. 5. ed. rev. e ampl. Brasília, DF: Embrapa, 2018.

SANZONOWICZ, C.; MIELNICZUK, J. Fontes, doses e métodos de aplicação de potássio no solo. Pesq. Agropec. Bras., v. 20, p. 189-195, 1985.

SILVA, F. A. S.; AZEVEDO, C. A. V. Principal components analysis in the software assistat-statistical attendance. In: World Congress On Computers In: Agriculture, 7., 2009, Reno, NV, USA. Anais […] Reno, NV, USA: American Society of Agricultural and Biological Engineers, 2009. p. 393-396.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIÊNCIAS DO SOLO. Manual de adubação e de calagem para os Estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. 11. ed. Porto Alegre: [s. n.], 2016.

TEDESCO, M. J. et al. Análises de solo, plantas e outros materiais. 2. ed. Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1995.

TERRANÁLISE. Laboratório de análises ambientais. Laudo de análise de solos. Fraiburgo: [s. n.], 2017.

VASCONCELLOS, C. A. Produtividade em alta. Revista Cultivar, 2000. Disponível em: http://www.grupocultivar.com.br/artigos/produtividade-em-alta. Acesso em: 6 nov. 2017.

Publicado
28-06-2019
Como Citar
Zuffo, D. H., Renner, S., Sordi, A., Cericato, A., Fioreze, K., & Lajús, C. R. (2019). MOBILIDADE DE POTÁSSIO EM SOLOS SOB DIFERENTES DOSES E FORMAS DE APLICAÇÃO E POTENCIAL DE RENDIMENTO DA CULTURA DA SOJA (Glycine max (L.) Merrill.). Unoesc & Ciência - ACET, 10(1), 25-30. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/acet/article/view/20855