UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DE ALTO FORNO (ESCÓRIA DE CHUMBO) EM MELHORAMENTO DE MISTURAS DE SOLO-CIMENTO-RESÍDUO

  • Regina Rafaela Franck Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Lucas Quiocca Zampieri Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Fabiano Alexandre Nienov
  • Gislaine Luvizão
Palavras-chave: Solo-Cimento, Melhoramento de solos, Resíduo escória de chumbo, Temperatura

Resumo

O ramo da Engenharia está em constante evolução; por isso o melhoramento de solos com a adição de agentes cimentantes combinados com resíduos do setor industrial está cada vez mais se adequando às suas necessidades, pois dessa maneira também é possível contribuir para a redução de custos e impactos ambientais. Este trabalho apresenta um estudo sobre o melhoramento de um solo argiloso da Cidade de Joaçaba, SC, por meio da adição de cimento e resíduo escória de chumbo proveniente da Empresa Baterias Pioneiro. Foram definidos dois traços para estudo de solo-cimento-resíduo com valores correspondentes a 2,5% e 5% de escória de chumbo, combinado a 15% de cimento Portland CPV ARI sobre a massa de solo seco, em períodos de cura adotados de 7, 28 e 60 dias, variando a temperatura em 24 °C, 35 °C, 45 °C e 60 °C, com três corpos de prova para cada amostra, totalizando 72 corpos de prova ensaiados, objetivando analisar a resistência à compressão simples das misturas. Os resultados obtidos demonstraram que o incorporamento do resíduo escória de chumbo teve maior significância aos 60 dias de cura, sendo o maior período analisado, e a evolução das resistências ocorreu conforme aumento da temperatura. A comparação entre os períodos de cura indicou que, em maiores idades, a cimentação é mais adequada, com valores de resistência até 44,6%, maiores entre as idades de 7 a 60 dias. A escória de chumbo melhorou o desempenho das misturas em conformidade com maior período de cura, e a RCS aumentou gradativamente conforme o aumento de temperatura.

Biografia do Autor

Lucas Quiocca Zampieri, Universidade do Oeste de Santa Catarina
Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade do Oeste de Santa Catarina (2012). Tem experiência na área de Engenharia Civil, com ênfase em Geotécnica. Mestre em Geotecnia pela UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul Atualmente, atuando como professor na Universidade do Oeste de Santa Catarina na área de mecânica dos solos, e também como engenheiro civil com foco na área de geotecnia e construção civil.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO PORTLAND. Guia básico de utilização de cimento Portland. Boletim Técnico 106. São Paulo: Publicações ABCP, 2002.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6459 – Solo – Determinação do limite de liquidez. Rio de Janeiro, 2016a.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7180 – Solo – Determinação do limite de plasticidade. Rio de Janeiro, 2016b.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7181 – Solo – Análise granulométrica. Rio de Janeiro, 2016c.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10.004. Resíduos Sólidos – Classificação. Rio de Janeiro, 2004.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR12023 – Solo-cimento – Ensaio de compactação. Rio de Janeiro, 2012.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 12253 - Solo-cimento – Dosagem para emprego como camada de pavimento. Rio de Janeiro, 1992.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. DNER - ME 093/94 – Solos – Determinação da densidade real. 1994.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES. DNIT 143/2010-ES: Pavimentação – Base de solo-cimento. 2010.

FONINI, A. Comportamento Mecânico de uma Areia Cimentada: Análise Experimental e Micromecânica. 2012. 210 p. Tese (Doutorado em Engenharia) – UFRGS, Porto Alegre, 2012.

GOMES, G. M. F. Redução do Impacto Ambiental da Escória de Obtenção de Chumbo por Via Secundária. 2006. Dissertação (Mestrado em Engenharia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

GOULART, C. L.; PEDREIRA, C. L. da S. Estabilização química de solo com adição de cimento ou cal como alternativa de pavimento. 2009. Universidade Federal de Rio Grande e Universidade Católica de Pelotas, Rio Grande, 2009.

HERZOG, A.; MITCHELL, J. K. Reactions accompanying stabilization of clay with cement. Higway Research Record, Washington, v. 36, p. 146-171. 1963.

INGLES, O. G.; METCALF, J. B. Soil Stabilization – Principles and Practice. Sidney: Butterworths, 374 p. 1972.

MAKUSA, G. P. Soil stabilization methods and materials in engineering practice: State of the art review. Sweden: Lulea˚ University of Technology, 2013.

NEVILLE, A. M. Propriedades do Concreto. 2. ed. São Paulo: PINI, 1997.

PEREIRA, K. L. de A. Estabilização de um solo com cimento de iodo para uso em pavimentos. 2012. Dissertação (Mestrado em Engenharia) – UFRGN, Natal, 2012.

SANTANA, G. P. A Reciclagem do Chumbo da Bateria. São Paulo. 2015. Disponível em: http://blog.clubedaquimica.com/a-reciclagem-do-chumbo-da-bateria/. Acesso em: 10 jan. 2019.

SILVANI, C. Influência da temperatura de cura no comportamento mecânico de misturas areia-cinza volante-cal. 2013. 127 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia) – UFRGS, Porto Alegre.

VENDRUSCOLO, M. A. Estudo do comportamento de materiais compósitos fibrosos para a aplicação como reforço de base de fundações superficiais. 2003. 224 p. Tese (Doutorado em Engenharia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2003.

ZAMPIERI, L. Q. Comportamento mecânico de um solo mole orgânico cimentado com aglomerantes variados. 2015. 117 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – UFRGS, Porto Alegre, 2015.

Publicado
18-06-2019
Como Citar
Franck, R. R., Zampieri, L. Q., Nienov, F. A., & Luvizão, G. (2019). UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DE ALTO FORNO (ESCÓRIA DE CHUMBO) EM MELHORAMENTO DE MISTURAS DE SOLO-CIMENTO-RESÍDUO. Unoesc & Ciência - ACET, 10(1), 59-68. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/acet/article/view/20341