INCORPORAÇÃO DE RESÍDUO DE AREIA DE FUNDIÇÃO EM MISTURAS ASFÁLTICAS USINADAS A QUENTE: AVALIAÇÃO DOS COMPONENTES PRESENTES NA ÁGUA DE SOLUBILIZAÇÃO E DO COMPORTAMENTO MECÂNICO

  • Rodrigo Limana Salla
  • Gislaine Luvizão
Palavras-chave: Resíduo de areia de fundição, Dosagem Marshall, Compostos químicos

Resumo

O processo de fundição é um dos principais geradores de resíduos do mundo, conhecido como resíduo de areia de fundição (RAF). Por esse motivo há grande preocupação com a reutilização desse material de forma não agressiva ao meio ambiente. O presente estudo teve por objetivo avaliar quimicamente os componentes presentes na água de solubilização das diversas misturas asfálticas usinadas a quente com adição de RAF. A dosagem foi realizada pelo método Marshall, utilizando cinco teores de cimento asfáltico de petróleo (CAP). A partir do traço padrão foi encontrado o teor ótimo de CAP de 4,9% para a mistura. A porcentagem de resíduo de areia de fundição utilizada foi de 10%, quantia que foi substituta do pó de pedra. Os resultados químicos para Chumbo, Cobre, Cromo e Zinco foram satisfatórios pois os valores ficaram acima do normatizado, contudo foi verificada alteração acima do limite no composto Ferro. Os valores obtidos para os fenóis, da amostra padrão, ficaram acima do estipulado pela norma NBR 10004 (ABNT, 2004a); já as amostras contendo RAF resultaram em valores abaixo do normatizado, podendo, assim, o resíduo ter auxiliado no processo de estabilização dos fenóis das amostras. Dessa forma, a reutilização do RAF é indicada para misturas asfálticas, contudo, para seu emprego, deve ser realizada uma ampla análise química do resíduo, de modo a prevenir problemas ambientais.

Referências

ALEXANDRE, J. R. et al. Zinco e Ferro: de micronutrientes a contaminantes do solo. Vila Velha: Universidade Vila Velha, 2012.

ARAGÃO, D. M. et al. Estudo Comparativo da Adsorção de Pb (II), Cd (II) e Cu (II) em Argila Natural Caulinítica e Contendo Montmorilonita. Orbital: Electron. J. Chem., v. 5, n. 3, p. 157-163, 2013.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10.004 Resíduos Sólidos – Classificação. Rio de Janeiro: [S. n.], 2004a.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10.006 Resíduos Sólidos – Procedimento para obtenção do extrato solubilizado de resíduos sólidos. Rio de Janeiro: [S. n.], 2004b.

COUTINHO NETO, B. Reaproveitamento do Resíduo de Fundição em Misturas Asfálticas. 2004 Tese (Doutorado) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2004.

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE INFRAESTRUTURA. Pavimentação: Camadas De Misturas Asfálticas Usinadas A Quente. ES-P 05/16. Rio de Janeiro: [S. n.], 2016.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. ME 043 – Misturas betuminosas a quente – Ensaio Marshall. Rio de Janeiro: [S. n.], 1995.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. ME 083 – Agregados – Análise granulométrica. Rio de Janeiro: [S. n.], 1998.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. ME 084 – Agregado Miúdo – Determinação da densidade real. Rio de Janeiro: [S. n.], 1995.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. ME 192 – Material asfáltico – Determinação do inchamento do agregado miúdo. Rio de Janeiro: [S. n.], 1997.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRÂNSITO. ES 031 – Pavimentos flexíveis – Concreto asfáltico – Especificação de serviço. Rio de Janeiro: [S. n.], 2006.

KONDIC, V. Princípios metalúrgicos de fundição. São Paulo: Ed. Polígono, 1973.

SOARES, S. F. R. C. et al. Acúmulo e distribuição de metais pesados nas raízes, caule e folhas de mudas de arvores em solo contaminado por rejeitos de industrias de zinco. Rev. Bras. Fisiol. Veg., Lavras, v. 13, n. 3, p. 302-315, 2001.

SOUZA, J. M. et al. Sistema de Mapas para a Web do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina. Epagri/Ciram, 2012. Disponível em: http://ciram.epagri.sc.gov.br/siffsc/. Acesso em: 7 ago. 2017.

WINKLER, E. S.; BOL’SHAKOV, A. A. Characterization of Foundry Sand Waste. Renewable Energy. [S. l.: s. n.], 2000.

Publicado
28-06-2019
Como Citar
Salla, R., & Luvizão, G. (2019). INCORPORAÇÃO DE RESÍDUO DE AREIA DE FUNDIÇÃO EM MISTURAS ASFÁLTICAS USINADAS A QUENTE: AVALIAÇÃO DOS COMPONENTES PRESENTES NA ÁGUA DE SOLUBILIZAÇÃO E DO COMPORTAMENTO MECÂNICO. Unoesc & Ciência - ACET, 10(1), 15-24. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/acet/article/view/19288