O trabalho da equipe multidisciplinar na melhoria da qualidade de vida de pacientes em estágio terminal com foco nos cuidados paliativos

  • Gabriela Pulga Unoesc
  • Letícia Cassol
  • Mireli Amaral
  • Adriana Graziele de Farias Januário
  • Nadiane Feldkercher
  • Tânia Maria dos Santos Nodari
Palavras-chave: Paliativismo. Interdisciplinaridade. Fase terminal. Cuidado. Atenção

Resumo

Multidisciplinariedade no contexto dos cuidados paliativos envolve mais do que o médico no centro da atenção e do cuidado. Este artigo buscou contemplar vários aspectos relacionados ao cuidado aos doentes terminais, focalizando no trabalho interdisciplinar. Além de promover uma reflexão aos profissionais de saúde acerca da tomada de decisões de forma integrada e efetiva no trabalho em equipe. Trata-se de um estudo retrospectivo, realizado a partir de pesquisas bibliográficas no Portal de Periódicos CAPES. Inicialmente, foram analisados quatorze trabalhos, sendo excluídos aqueles que não enfatizaram a temática da integração multidisciplinar entre os profissionais da saúde, assim, utilizou-se cinco artigos e uma dissertação de mestrado. De acordo com os estudos, observou-se que o paliativismo é uma ciência conceituada há pouco que não possui a pretensão de curar, mas, que busca proporcionar conforto e mitigar os sintomas do doente e o sofrimento de seus familiares. Além disso, a importância da equipe de cuidados auxilia na tomada de decisões adequadas, embora nas pesquisas foi verificada que não há o engajamento para o pleno funcionamento e que há a necessidade de avanços tecnológicos na área e de treinamento específico para os profissionais. O diálogo e cooperação entre todos os envolvidos se faz deveras importante para se alcançar os objetivos que se pretende quando se pensa em cuidado paliativo. Há de se ter ciência de que precisam mais investimentos, capacitação profissional e estudos mais focados na atuação do médico, pois os poucos ensaios que tem, focam na atuação do enfermeiro na atenção e no cuidado.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRAGA, F. de C.; QUEIROZ, E. Cuidados paliativos: o desafio das equipes de saúde. Psicologia USP, São Paulo, v. 23, n. 3, p. 413-429, 2013. Disponível em: http://www.periodicos.usp.br/psicousp/article/view/78849. Acesso em: 3 abr. 2019.

COELHO, C. B. T.; YANKASKAS, J. R. New concepts in palliative care in the intensive care unit. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, São Paulo, v. 29, n. 2, p. 222-230, 2017. Disponível em: https://www-ncbi-nlm-nih-gov.ez225.periodicos.capes.gov.br/pmc/articles/PMC5496757/. Acesso em: 3 abr. 2019.

FLORIANI, C. A.; SCHRAMMI, F. R. Desafios morais e operacionais da inclusão dos cuidados paliativos na rede de atenção básica. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 9, p. 2072-2080, 2007. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/csp/2007.v23n9/2072-2080/pt. Acesso em: 3 abr. 2019.

GARCIA, J. B. S.; RODRIGUES, R. F.; LIMA, S. F. A estruturação de um serviço de cuidados paliativos no Brasil: relato de experiência. Revista Brasileira de Anestesiologia, Botafogo, v. 64, n. 4, p. 286-291, jul./ago. 2014. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0034709413000664?via%3Dihub. Acesso em: 3 abr. 2019.

HERMES, H. R.; LAMARCA, I. C. A. Palliative care: an approach based on the professional health categories/ Cuidados paliativos: uma abordagem a partir das categorias profissionais de saúde. Ciência e saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, p. 2577, set. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v18n9/v18n9a12.pdf. Acesso em: 3 abr. 2019.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. National cancer control programmes: policies and managerial guidelines. 2016. Disponível em: http://www.who.int/cancer. Acesso em: 4 abr. 2019.

Publicado
29-06-2020
Como Citar
Pulga, G., Cassol, L., Amaral, M., Januário, A. G. de F., Feldkercher, N., & Nodari, T. M. dos S. (2020). O trabalho da equipe multidisciplinar na melhoria da qualidade de vida de pacientes em estágio terminal com foco nos cuidados paliativos. Unoesc & Ciência - ACBS, 10(2), 163-168. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/acbs/article/view/21295