Perfil toxicológico e alcoolemia de vítimas fatais de acidentes de trânsito no Extremo-Oeste de Santa Catarina

  • Jorlana Stacke Maziero
  • Abel Petter
  • Eduardo Ottobelli Chielle UNOESC
Palavras-chave: Álcool, Acidentes, Vítimas, Trânsito, Drogas

Resumo

Dirigir sob a influência de álcool e drogas ilícitas tem sido um tema de crescente preocupação em países desenvolvidos, contudo, a pesquisa toxicológica e de alcoolemia, em vítimas fatais de acidentes de trânsito no Extremo-Oeste de Santa Catarina ainda é pouco estudada. Nesse sentido, este estudo procurou pesquisar o perfil toxicológico e o nível de alcoolemia de vítimas fatais de acidentes de trânsito nos 27 municípios do Extremo-Oeste de Santa Catarina. Foi realizado um estudo de agregados de série temporal, com um levantamento de dados documentais, a fim de se obterem dados epidemiológicos e os resultados dos laudos técnicos periciais por meio do Instituto Médico Legal de São Miguel do Oeste, SC de todas as vítimas fatais (condutores, passageiros e pedestres) decorrentes de acidentes de trânsito, registrados no período de 2012 a 2016. Observou-se uma maior prevalência de acidentes com pessoas do sexo masculino, com idades entre 20 e 29 anos, sendo os condutores as principais vítimas fatais. O mês de janeiro, sábados e domingos e o horário das 16h às 19h59 foram os momentos com maior número de ocorrências e de vítimas fatais. Níveis elevados de álcool foram observados em 29,2% das vítimas e as principais drogas encontradas foram da classe dos benzodiazepínicos, sendo Diazepam e Midazolam os mais detectados. O moderado índice de casos positivos de vítimas fatais de acidentes de trânsito sob efeito de álcool e/ou drogas ilícitas encontrado neste estudo reforça o risco aumentado de conduzir veículos automotores sob a influência dessas substâncias. Sugere-se a intensificação de ações de fiscalização direcionadas ao uso do álcool e análises toxicológicas dos motoristas, visando à segurança do coletivo em detrimento de direitos individuais, uma vez que essas substâncias são capazes de prejudicar a capacidade de um indivíduo conduzir veículos automotores, aumentando os índices de violência no trânsito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, R. L. F. et al. Via, homem e veículo: fatores de risco associados à gravidade dos acidentes de trânsito. Rev. Saúde Pública, v. 47, n. 4, p. 718-731, 2013.

ANDRADE, S. S.; JORGE, M. H. Estimate of physical sequelae in victims of road traffic accidents hospitalized in the Public Health System. Rev. Bras. Epidemiol., v. 19, i. 1, p. 110-111, 2016.

BENÍTEZ, C. I. et al. Use of benzodiazepines and selective serotonin reuptake inhibitors in middle-aged and older adults with anxiety disorders: a longitudinal and prospective study. Am J Geriatr Psychiatry, v. 16, i. 1, p. 5-13, Jan. 2008.

BREWER, R. D.; SWAHN, M. H. Binge Drinking and Violence. JAMA, p. 616-618, 2005.

CABRAL, A. P.; SOUZA, W. V.; LIMA, M. L. Serviço de atendimento móvel de urgência: um observatório dos acidentes de transportes terrestre em nível local. Rev. Bras. Epidemiologia, v. 14, n. 1, p. 3-14, 2011.

CABRAL, A. P.; SOUZA, W. V. Serviço de atendimento móvel de urgência (SAMU): análise da demanda e sua distribuição espacial em uma cidade do Nordeste brasileiro. Rev. Bras. Epidemiologia, v. 11, n. 4, p. 530-540, 2008.

CAIXETA, C. R. et al. Morbidade por acidentes de transporte entre jovens de Goiânia, Goiás. Ciência Saúde Coletiva, v. 15, n. 4, p. 2075-2084, 2010.

COSTA, J. S. D. da et al. Consumo abusivo de álcool e fatores associa¬dos: estudo de base populacional. Rev. Saúde Pública, v. 38, n. 2, p. 284-291, 2004.

COUTINHO, D.; VIEIRA, D. N.; TEIXEIRA, H. M. Condução sob influência de benzodiazepínicos e antidepressivos – Prescrição médica e abuso. Acta Medica Port, v. 24, p. 431- 438, 2011.

DAS, A. et al. Alcohol, drugs, and road traffic crashes in India: a systematic review. Traffic injury prevention, v. 13, i. 6, p. 544-545, Jan. 2012.

DASSANAYAKE, T. et al. Effects of benzodiazepines, antidepressants and opioids on driving: a systematic review and meta-analysis of epidemiological and experimental evidence. Drug Safety, v. 34, i. 2, p. 125-56, 2011.

DIAS, L. K. Avaliação do serviço de atendimento móvel de urgência na atenção aos acidentes de trânsito na zona urbana de sobral – CE. 2016. Dissertação (Mestrado em Saúde da Família) – Universidade Federal do Ceará, 2016. Disponível em: http://repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/19191/1/2016_ dis_lksdias.pdf. Acesso em: 18 fev. 2018.

DRUMMER, O. H. et al. The incidence of drugs in drivers killed in Australian road traffic crashes. For Sci Int, p. 154-162, 2003.

ELLIOTT, S.; WOOLACOTT, H.; BRAITHWAITE, R. The prevalence of drugs and alcohol found in road traffic fatalities: a comparative study of victims. Science & Justice: Journal of the Forensic Science Society, v. 49, n. i, p. 19-23, Mar. 2009.

FRANCO, M. S. P. et al. Caracterização de pacientes vítimas de acidentes de trânsito admitidos em hospital regional da Paraíba. Rev. Interdisciplinar, v. 8, n. 2, p. 123-129, 2015.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA; ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE TRANSPORTES PÚBLICOS. Impactos sociais e econômicos dos acidentes de trânsito nas rodovias brasileiras: relatório executivo. Brasília, DF: IPEA: DENATRAN: ANTP, 2006.

JONES, A. W. et al. Five-year update on the occurrence of alcohol and other drugs in blood samples from drivers killed in road-traffic crashes in Sweden. Forensic Science International, v. 186, i. 1-3, p. 56-62, Apr. 2009.

LADER, M. Benzodiazepine harm: how can it be reduced? Br J Clin Pharmacol, v. 77, i. 2, p. 295-301, Feb. 2014.

LEYTON, V. et al. Mortes no trânsito relacionadas ao uso de álcool no Estado de São Paulo em 2006. Rev. Abramet, v. 27, n. 2, p. 26-31, 2009.

LINNOILA, M.; MATTILA, M. J. Drug interaction on psychomotor skills related to driving: Diazepan and Alcohol. Europ J Clin Pharmacol, v. 5, i. 3, p. 186-194, 1973.

MELLO, J. M. H. P.; ADURA, F. E. Álcool e direção veicular. Revista USP, v. 96, p. 23-36, 2013.

MOURA, E. C. et al. Direção de veículos motorizados após consumo abusivo de bebidas alcoólicas, Brasil, 2006 a 2009. Rev. Saúde Pública, v. 43, n. 5, p. 891-894, 2009.

MOVIG, K. L. et al. Psychoactive substance use and risk of motor vehicle accidents. Accid Anal Prev, v. 36, p. 631-636, 2004.

NOLASCO, T. R.; ANDRADE, S. M.; SILVA, B. A. Capacidade funcional de vítimas de acidentes de trânsito em Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Ensaios Cienc., Cienc. Biol. Agrar. Saúde., v. 20, n. 2, p. 104-110, 2016.

SILVA, J. K. da et al. Profile of road transport accidents met by the mobile urgency attendance service. J Nurs UFPE, v. 10, i. 1, p. 9-17, 2016.

VIEIRA, R. de C. A. et al. Levantamento epidemiológico dos acidentes motociclísticos atendidos em um centro de referência ao trauma de Sergipe. Rev. Esc. Enfermagem USP, v. 45, n. 6, p. 1359-1363, 2011.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Beber e Dirigir: Manual de Segurança de Trânsito para Profissionais de Trânsito e Saúde. Genebra: Global Road Safety Partner¬ship, 2007.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Global Status Report on Road Safety – Time for Action. Geneva: WHO, 2009.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Road traffic injuries. Fact sheet. Geneva: WHO, 2016. Disponível em: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs358/en/. Acesso: 18 fev. 2018.

YONAMINE, M. et al. Detecting alcohol and illicit drugs in oral fluid samples collected from truck drivers in the state of São Paulo, Brazil. Traffic injury prevention, v. 14, i. 2, p. 127-131, Jan. 2013.

Publicado
29-06-2020
Como Citar
Maziero, J. S., Petter, A., & Chielle, E. O. (2020). Perfil toxicológico e alcoolemia de vítimas fatais de acidentes de trânsito no Extremo-Oeste de Santa Catarina. Unoesc & Ciência - ACBS, 10(2), 169-178. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/acbs/article/view/20489