Estudo epidemiológico de culturas de mycoplasma e ureaplasma em um laboratório do Meio-Oeste catarinense

  • Camila Katerin Perondi UNOESC
  • Morgana Baú UNOESC
Palavras-chave: Infecções Sexualmente Transmissíveis, Ureaplasma urealyticum, Mycoplasma hominis, Chlamydia trachomatis

Resumo

Após o advento do HIV/Aids nos anos 1980 e com o surgimento de campanhas profiláticas para deter o avanço daquela epidemia, as infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), associadas ou não ao HIV, passaram a ser estudadas e monitoradas de forma intensa. Microorganismos considerados inofensivos passaram a ter relevância clínica e epidemiológica, caso dos Micoplasmas, bactérias relativamente pouco estudadas mas com grande potencial patogênico, e que deveriam apresentar alta relevância clínica por estarem associados à doença inflamatória pélvica (DIP) e à infertilidade, entre outros. O objetivo deste estudo foi analisar a incidência de Mycoplasma e Ureaplasma em pacientes de um laboratório de diagnóstico clínico do Meio Oeste Catarinense. A coleta de dados foi documental, utilizando-se resultados pormenorizados de todos os exames para micoplasmas realizados no laboratório entre janeiro de 2008 e dezembro de 2018. Os dados foram compilados no Microsoft Excel®, construindo-se planilha detalhada a partir da qual foram realizados cruzamentos e tabelas de contingência, permitindo uma análise descritiva. Os resultados mostram índice total de infecção por Mycoplasma e Ureaplasma de 21,8% dos pacientes (n=878) com prevalência da infecção nas faixas etárias de 13 a 19 anos (28,6%) e 55 a 63 anos (25%), superando índices da literatura. A associação com Clamídia ocorreu em 18,2% dos portadores, corroborando estudos similares. Conclui-se que as infecções por micoplasma na região analisada merecem atenção por parte dos órgãos de saúde pública, sugerindo-se à pesquisa estudos similares em outros laboratórios de diagnósticos clínicos, visando compor-se banco de dados estadual ou nacional que municie as políticas públicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Katerin Perondi, UNOESC

Estudante de Especialização em Análises Clínicas pela UNOESC
Bacharel em Farmácia pela UNOESC

Morgana Baú, UNOESC

Especialista em Microbiologia Clínica pela PUC - Paraná
Especialista em Gestão de Hemocentros pela UFPE
Bacharel em Farmácia pela UFSC
Bacharel em Análises Clínicas pela UFSC

Referências

BARCELOS, M. R. et al. Infecções genitais em mulheres atendidas em Unidade Básica de Saúde: prevalência e fatores de risco. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, Vitória: Universidade Federal do Espírito Santo, v. 7, n. 30, p. 349-354, maio/jul. 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas. Atenção Integral às Pessoas com Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST). Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2015. 122 p. Disponível em: http://www.aids.gov.br/system/tdf/pub/2015/57800/miolo_pcdt_ist_22_06_2016_graf_pdf_11960.pdf?file=1&type=node&id=57800&force=1. Acesso em: 10 out. 2018.

CAMILO, C. D. C. Susceptibilidade de Mycoplasma hominis e Ureaplasma sp. a antimicrobianos. 2012. 88 p. Dissertação (Mestrado em Imunologia Básica e Aplicada) – Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2012.

CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. Sexually Transmitted Disease Surveillance 2017. Atlanta: U.S.: Department of Health and Human Services, 2018. Disponível em: https://www.cdc.gov/std/stats17/2017-STD-Surveillance-Report_CDC-clearance-9.10.18.pdf. Acesso em: 18 fev. 2019.

DESGUALDO, P. A ameaça do HPV. Apesar de não ter preferência, é nas mulheres que esse vírus causa maior estrago. Mas hoje é fácil se vacinar e manter esse inimigo distante. Revista Saúde, 2017. Disponível em: https://saude.abril.com.br/bem-estar/a-ameaca-do-hpv/. Acesso em: 18 fev. 2019.

DOMINGUES, D. et al. Micoplasmas: Que papel nas Infecções Humanas? Revista Acta Medica Portuguesa, v. 18, p. 377-384, 2005.

FAMILY PLANNING ASSOCIATION. Sexually transmitted infections factsheet. 2016. Disponível em: www.fpa.org.uk/factsheets/sexually-transmitted-infections. Acesso em: 18 fev. 2019.

GDOURA, R. et al. Ureaplasma urealyticum, Ureaplasma parvum, Mycoplasma hominis and Mycoplasma genitalium infections and semen quality of infertile men. Revista BMC Infectious Diseases, Tunísia: Department of Microbiology and Research Laboratory “Microorganismes et Pathologie Humaine”, v. 7, i. 129, May/Nov. 2007.

GÜNYELI, İ. et al. Chlamydia, Mycoplasma and Ureaplasma infections in infertile couples and effects of these infections on fertility. Archives of Gynecology and Obstetrics, v. 283, i. 2, p. 379-385, 2010.

HARRISON, H. R. et al. Cervical Chlamydia trachomatis and Mycoplasmal Infections in Pregnancy. 1983. The Journal of the American Medical Association, v. 250, i. 13, p. 1721-1727, Oct. 1983.

KATAOKA, S. et al. Association between Preterm Birth and Vaginal Colonization by Mycoplasmas in Early Pregnancy. Journal of Clinical Microbiology, Japão: Hokkaido University Hospital, v. 44, i. 1, p. 51-55, Jan. 2006.

PELCZAR, M. J. et al. Microbiologia: Conceitos e aplicações. 2. ed. [S. l.]: Pearson Universidades, 1997. 592 p.

RAMOS, B. R. D. A. Correlação entre presença de Mycoplasma hominis e Ureaplasma urealyticum e níveis de IL-6 e IL-10 no líquido amniótico de gestantes com trabalho de parto prematuro. 2008. 50 p. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel em Ciências Biológicas) – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Botucatu, 2008.

SÃO PAULO. Vergonha é um dos principais motivos que mantêm os homens afastados dos consultórios médicos. São Paulo, 2013. Disponível em: http://www.saopaulo.sp. gov.br/spnoticias/ultimas-noticias/vergonha-e-um-dos-principais-motivos-que-mantem-os-homens-afastados-dos-consultorios-medicos/. Acesso em: 10 fev. 2019.

SIERRA, R. F. et al. Resistencia in vitro de aislamientos clínicos de Mycoplasma hominis y Ureaplasma urealyticum en México. 2006. Revista Bioquimia, Departamento de Microbiología, Carpermor, Laboratório de Referência Internacional, 2006.

SVENSTRUP, H. et al. Mycoplasma genitalium, Chlamydia trachomatis, and tubal factor infertility – a prospective study. Fertility and Sterility, v. 90, i. 3, p. 513-520, 2008.

TORRONE, E.; PAPP, J.; WEINSTOCK, H. N. Prevalence of Chlamydia trachomatis Genital Infection Among Persons Aged 14-39 Years – United States, 2007–2012. Morbidity and Mortality Weekly Report, Atlanta, Georgia: Centers for Disease Control and Prevention, v. 63, i. 38, p. 834-838, Sept. 2014.

WAITES, K. B. Congenital and Perinatal Infections: A concise guide to Diagnosis- Mycoplasma and Ureaplasma. Totowa: Humana Press Inc., 2010. p. 271-288.

YOKOI, S. et al. The Role of Mycoplasma genitalium and Ureaplasma urealyticum Biovar 2 in Postgonococcal Urethritis. Clinical Infectious Diseases, Gifu, Yanagido: Gifu University, v. 45, i. 7, p. 866-871, Oct. 2007.

Publicado
29-06-2020
Como Citar
Perondi, C. K., & Baú, M. (2020). Estudo epidemiológico de culturas de mycoplasma e ureaplasma em um laboratório do Meio-Oeste catarinense. Unoesc & Ciência - ACBS, 10(2), 137-144. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/acbs/article/view/20483