A prática de reuniões de equipes: um dispositivo de cuidado para trabalhadores de Centros de Atenção Psicossocial (CAPS)

  • Paula Cristina Tasca
  • Álvaro Cielo Mahl UNOESC
  • Alexandra Biesdorf
Palavras-chave: CAPS. Reunião. Equipe.

Resumo

O presente estudo realizou a coleta e interpretação de dados qualitativos com os os trabalhadores de Centros de Atenção Psicossocial (CAPS I), tendo como objetivo geral compreender as percepções dos profissionais que compõem a equipe multidisciplinar de quatro CAPS I, localizados na região Oeste no Estado de Santa Catarina, quanto aos objetivos, à organização e ao funcionamento das reuniões de equipe, e identificar as potencialidades e as fragilidades destas, no intuito de ampliar os conhecimentos que possam ser efetivos para a consolidação da prática de reuniões de equipes de CAPS. Quatro membros de cada unidade participaram da entrevista e contribuíram com a sua visão sobre o tema, mediante assinatura de um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE). Os participantes responderam a uma entrevista semiaberta com questões direcionadas aos diversos aspectos da reunião de equipe do CAPS da qual fazem parte. Com o presente estudo foi possível denotar com maior precisão a real necessidade desses espaços de reunião para que a equipe tenha maior contato e entendimentos sobre cada caso, interação para a organização geral do CAPS e momentos de descontração que evitam o adoecimento do profissional, o qual se encontra constantemente sob pressão no ambiente de trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradução: Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa: Edições 70, 2000.

BARROS, J. O. A construção de projetos terapêuticos no campo da saúde mental: apontamentos acerca das novas tecnologias de cuidado. 2010. Dissertação (Mestrado em Ciências da Reabilitação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5163/tde-21092010-093913/en.php. Acesso em: 26 jan. 2019.

BRASIL. Lei n. 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 8 abr. 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 131, de 26 de janeiro de 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0131_26_01_2012.html. Acesso em: 13 dez. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Coordenação Geral de Saúde Mental. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas. Brasília, DF: Organização Pan Americana de Saúde, 2005. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/relatorio_15_anos_caracas.pdf. Acesso em: 15 maio 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Saúde mental no SUS: os Centros de Atenção Psicossocial. Brasília: Ministério da Saúde, 2000.

BRASIL. Ministério da Saúde. Trabalho e redes de saúde: valorização dos trabalhadores da saúde. 2. ed. Brasília, DF: Editora MS, 2008.

CAMPOS, G. W. S.; DOMITTI, A. C. Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 2, p. 399-407, fev. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2007000200016&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 10 jun. 2018.

CARDOSO, C. G.; HENNINGTON, É. A. Trabalho em equipe e reuniões multiprofissionais de saúde: uma construção à espera pelos sujeitos da mudança. Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro, v. 9, p. 85-112, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-77462011000400005&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 10 abr. 2018.

DALL’AGNOL, C. M.; MARTINI, A. C. Reuniões de trabalho: mais que uma ferramenta administrativa, um processo educativo. Texto contexto Enferm., v. 12, n. 1, p. 89-96, 2003. Disponível em: http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=BDENF&lang=p&nextAction=lnk&exprSearch=14154&indexSearch=ID. Acesso em: 10 jan. 2019.

FILIZOLA, C. L. A.; MILIONILL, D. B.; PAVARINI, S. C. L. A vivência dos trabalhadores de um CAPS diante da nova organização do trabalho em equipe. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 10, n. 2, p. 491-503, 2008. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/v10/n2/v10n2a20.htm. Acesso em: 25 jan. 2019.

GRANDO, M. K.; DALL’AGNOL, C. M. Desafios do processo grupal em

reuniões de equipe da estratégia saúde da família. Rev. Esc. Anna

Nery, v. 14, n. 3, p. 504-10, jul./set. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-81452010000300011&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 26 jan. 2009.

HARARI, A.; VALENTINI, W. A reforma psiquiátrica no cotidiano. São Paulo: HUCITEC, 2001.

MATUMOTO, S. et al. Supervisão de equipes no Programa de Saúde da Família: reflexões acerca do desafio da produção de cuidados. Revista Interface, Ribeirão Preto, v. 9, 2005.

MINOZZO, F.; DA COSTA, I. I. Apoio matricial em saúde mental entre CAPS e Saúde da Família: trilhando caminhos possíveis. Psico-USF, Bragança Paulista, v. 18, n. 1, p. 151-160, jan./abr. 2013. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/4010/401036093016.pdf. Acesso em: 25 jan. 2019.

MOTTA, R. P. Desempenho em equipes de saúde: Manual. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2001.

PEDUZZI, M. Equipe multiprofissional de saúde: a interface entre o trabalho e interação. 1998. Tese (Doutorado em Ciências Médicas) – Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 1998. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/310392. Acesso em: 11 fev. 2019.

SANTANA, A. P. A importância de reuniões no CAPS como atividade para efetivar o trabalho interdisciplinar e qualificar o cuidado. 2014. Monografia (Especialização em Linhas de Cuidado em Enfermagem – Atenção Psicossocial) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/167197/ANGELITA%20PEIXOTO%20SANTANA%20-%20PSICO%20-%20TCC.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 15 jan. 2019.

SANTOS, E. O. dos. et al. Reunião de equipe: proposta de organização do processo de trabalho. Rev. Fund. Care On-line, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 606-613, 2017. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/5564. Acesso em: 26 fev. 2019.

SILVA, L. M.; SANTOS, M. A. Construindo pontes: relato de experiência de uma equipe multidisciplinar em transtornos alimentares. Medicina, Ribeirão Preto, 2006. Disponível em: http://www.fmrp.usp.br/revista/2006/vol39n3/14_construindo_pontes.pdf. Acesso em: 15 abr. 2018.

VASCONCELLOS, V. C. de. Trabalho em equipe na saúde mental: o desafio interdisciplinar em um CAPS. SMAD, Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog. (Ed. port.), Ribeirão Preto, v. 6, n. 1, p. 1-16, 2010. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-69762010000100015&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 4 maio 2018.

Publicado
29-06-2020
Como Citar
Tasca, P. C. ., Mahl, Álvaro C. ., & Biesdorf, A. (2020). A prática de reuniões de equipes: um dispositivo de cuidado para trabalhadores de Centros de Atenção Psicossocial (CAPS). Unoesc & Ciência - ACBS, 10(2), 99-106. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/acbs/article/view/20465