Avaliação psicológica no contexto da saúde mental: desafios para além da clínica

  • Tallita Frandoloso Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Verena Augustin Hoch
Palavras-chave: Saúde mental, Avaliação psicológica, Entrevista

Resumo

O presente estudo buscou problematizar os processos de avaliações psicológicas, possibilitando uma reflexão crítica acerca do tema. Teve como objetivo descrever os processos de avaliação psicológica realizados em um Centro de Atenção Psicossocial e compreender sua inserção no contexto da saúde mental. Trata-se de um relato de experiência, de abordagem qualitativa, do tipo descritivo, sobre os processos de avaliações psicológicas, realizados enquanto psicóloga residente, no período de um ano, em um CAPS tipo I, situado na região Sul do Brasil. Identificou-se que, nesse contexto o psicólogo está vinculado a uma representação social associada à clínica individual, influenciando na elevada quantidade de encaminhamentos para avaliação e dificultando o desenvolvimento de uma clínica ampliada. Observou-se que, apesar dos desafios, o psicólogo possui instrumentos para realização de uma avaliação que potencialize o cuidado integral e o olhar biopsicossocial, assim como, verificou-se a pertinência da entrevista clínica como método para avaliação psicológica no serviço substitutivo. Considera-se que, para cumprir com sua responsabilidade social, a avaliação psicológica deverá ser utilizada como uma ferramenta facilitadora na compreensão sobre o sofrimento psíquico e identificação das potencialidades de cada sujeito, sempre levando em consideração seu contexto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMARAL, M. S.; GONÇALVES, C. H.; Serpa, M. G. Psicologia comunitária e a saúde pública: relato de experiência da prática psi em uma Unidade de Saúde da Família. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 2, n. 2, p. 484-495, 2012.

AMARANTE, P. Saúde Mental e Atenção Psicossocial. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2011.

ANACHE, A. A. Notas introdutórias sobre os critérios de validação da avaliação psicológica na perspectiva dos direitos humanos. In: NORONHA A. P. P. et al. (org.). Ano da avaliação psicológica: textos geradores. Brasília, DF: Conselho Federal de Psicologia, 2011.

AVOGLIA, H. R. C. Avaliação psicológica da criança: a perspectiva social nas estratégias complementares à prática clínica. 2006. 226 p. Tese (Doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano) – Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

BASAGLIA, F. (org.). A instituição negada. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

BRASIL. Lei n. 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília, DF, Diário Oficial da União, 20 set. 1990.

BRASIL. Lei n. 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 9 abr. 2001.

BRASIL. Lei n. 11.129, de 30 de junho de 2005. Institui o Programa Nacional de Inclusão de Jovens – ProJovem; cria o Conselho Nacional da Juventude – CNJ e a Secretaria Nacional de Juventude; altera as Leis ns. 10.683, de 28 de maio de 2003, e 10.429, de 24 de abril de 2002; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1 jul. 2005a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Coordenação Geral de Saúde Mental. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas. Brasília, DF: OPAS, 2005b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Saúde mental no SUS: os centros de atenção psicossocial. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2004.

BRASIL. Portaria n. 336, de 19 de fevereiro de 2002. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2002/prt0336_19_02_2002.html. Acesso em: 20 ago. 2018.

CAMPOS, G. W. S. Saúde pública e saúde coletiva: campo e núcleo de saberes e práticas. Ciênc. saúde coletiva, v. 5, n. 2, p. 219-230, 2000.

CAPITÃO, C. G.; SCORTEGAGNA, S. A.; BAPTISTA, M. N. A importância da avaliação psicológica na saúde. Avaliação Psicológica, Campinas, v. 4, n. 1, p. 75-82, 2005.

CASULLO, M. M. Avaliação psicológica e psicodiagnóstico. Buenos Aires: Catálogos, 1996.

CECCIM, R. B.; FEUERWERKER, L. C. M. O quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. Physis, v. 14, n. 1, p. 41-65, 2004.

COIMBRA, C.; LEITAO, M. B. S. Das essências às multiplicidades: especialismo psi e produções de subjetividades. Psicol. Soc., v. 15, n. 2, p. 6-17, 2003.

CUNHA, J. A. et al. Psicodiagnóstico. Porto Alegre: Artmed, 2000. v. 5.

DEVERA, D.; COSTA-ROSA, A. DA. Marcos históricos da reforma psiquiátrica brasileira: Transformações na legislação, na ideologia e na práxis. Revista de Psicologia da UNESP, São Paulo, v. 6, n. 1, p. 60-79, 2007.

FRASER, M. T. D.; GONDIM, S. M. G. Da fala do outro ao texto negociado: Discussões sobre a entrevista na pesquisa qualitativa. Paidéia, Ribeirão Preto, v. 14, n. 28, p. 139-152, 2004.

GANCHO, C. V. Como analisar narrativas. 5. ed. São Paulo: Ática, 1998.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008.

GONÇALVES, M. Psicologia, subjetividade e políticas públicas. São Paulo: Cortez, 2010.

GRASSANO, E. Indicadores psicopatológicos nas técnicas projetivas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1996.

LEITE, L. C. M. O foco narrativo: ou a polêmica em torno da ilusão. São Paulo: Ática, 1994.

MERHY, E. E. Em busca do tempo perdido: A micropolítica do trabalho vivo em saúde. In: Merhy, E. E.; Onocko, R. (org.). Agir em saúde: um desafio para o público. São Paulo: Hucitec, 1997.

MINAYO, M. C. de S. (org.). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2016.

OCAMPO, M. L. S.; ARZENO, M. G. E. O processo psicodiagnóstico e as técnicas projetivas. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1985.

PAULON, S. Clínica ampliada: Que(m) demanda ampliações? In: FONSECA, T. G.; ENGELMAN, S. (org.). Corpo, arte e clínica. Porto alegre: Ed. UFRGS, 2004.

SILVA, D. G. V.; TRENTINI, M. Narrativas como técnica de pesquisa em enfermagem. Latino-am Enf., Ribeirão Preto, v. 10, n. 3, p. 423, 2002.

SPINK, P. Psicologia social e políticas públicas: linguagens de ação na era dos direitos. [S. l.]: [s. n.], 2011.

TRINCA, W. Diagnóstico psicológico: a prática clínica. São Paulo: EPU, 1984.

YAMAMOTO, H. Psicologia e políticas sociais (públicas) no Brasil. Psicologia (Braga), Minho, v. 9, n. 1, p. 99-117, 2004.

Publicado
29-06-2020
Como Citar
Frandoloso, T., & Hoch, V. A. (2020). Avaliação psicológica no contexto da saúde mental: desafios para além da clínica. Unoesc & Ciência - ACBS, 10(2), 123-130. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/acbs/article/view/20405