Desenvolvimento de cookie isento de gordura Trans e Glúten

Palavras-chave: Glúten, Gordura trans, Cookie, Análise sensorial, Doença celíaca

Resumo

Há um alto crescimento nos casos de intolerâncias e alergias alimentares, e também um aumento significativo de pessoas com dislipidemias. O mercado de produtos alimentícios para esses indivíduos está ainda em desenvolvimento. Diante disso, o objetivo do projeto foi desenvolver um cookie isento de gordura trans e glúten, para posteriormente realizar análise sensorial de aceitação do produto final. O método utilizado para a análise sensorial foi a escala hedônica estruturada de nove pontos; o provador escolheu uma opção em ordem crescente de 1 a 9, em que 1 equivale a desgostei muitíssimo, e 9 equivale a gostei muitíssimo. A seleção dos provadores foi feita de maneira aleatória, sem distinção de sexo, idade e profissão. O estudo foi realizado nas dependências do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense e contou com 53 provadores voluntários e não treinados. A aceitabilidade na pesquisa foi consideravelmente boa, visto que as maiores pontuações foram entre 08 e 09 da escala hedônica utilizada.

Biografia do Autor

Paulo Roberto de Freitas Junior
Nutricionista graduado pela Faculdade Metropolitana de Blumenau (2015). Estudante de Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC (2014). Possui experiência na área de Nutrição Clínica, Unidade de Alimentação e Nutrição, Administração de Empresas (financeiro e RH), Gerenciamento de Empresas, Coordenação e Vendas.

Referências

ANVISA. Rotulagem Nutricional Obrigatória: manual de orientação às indústrias de alimentos. Universidade de Brasília. Brasília, DF: Anvisa, 2005.

ANDRADE, R. M. S. Gordura Trans. Rio de Janeiro: Programa de Pós-Graduação em Alimentos e Nutrição, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, 2013.

ASSOCIAÇÃO DOS CELÍACOS DO BRASIL. A doença celíaca de hoje. Disponível em: http://www.acelbra.org.br/2004/doencaceliaca.php. Acesso em: 10 jun. 2017a.

ASSOCIAÇÃO DOS CELÍACOS DO BRASIL. Dados estatísticos: celíacos cadastrados por estado do Brasil. Disponível em: http://www.acelbra.org.br/2004/imagens/celiacos.gif. Acesso em: 10 jun. 2017b.

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CELÍACOS. Definição de Doenças Celíaca. Disponível em: http://www.celiacos.org.pt/. Acesso em: 15 jun. 2017.

BRASIL. Lei n. 10.674, de 16 de maio de 2003. Obriga a que os produtos alimentícios comercializados informem sobre a presença de glúten, como medida preventiva e de controle da doença celíaca. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 maio 2003a.

BRASIL. Resolução n. 360, de 23 de dezembro de 2003. Aprova Regulamento Técnico sobre Rotulagem Nutricional de Alimentos Embalados, tornando obrigatória a rotulagem nutricional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 dez. 2003b.

CASTRO, L. I. A. et al. Quinoa (Chenopodium Quinoa Willd): Digestibilidade in vitro, Desenvolvimento e Análise Sensorial de Preparações Destinadas a Pacientes Celíacos. Alim. Nutr., v. 18, n. 4, p. 413-419, Araraquara, out./dez. 2007.

CASTRO, M. F.; MAURÍCIO, A. A. Biscoito Integral: fonte de fibras, isento de lactose e gordura trans. Revista Agro@mbiente On-line, Boa Vista, v. 2, n. 2, p. 51-56, jul./dez. 2008.

FEDERAL REGISTER, FOOD AND DRUG ADMINISTRATION. Guidance for Industry: Trans Fatty Acids in Nutrition Labeling, Nutrient Content Claims, Health Claims; Small Entity Compliance Guide. Disponível em: http://www.fda.gov. Acesso em: 16 maio 2017.

MAHAN, L. K.; ESCOTT-STUMP, S. Alimentos, nutrição & dietoterapia. 10. ed. São Paulo: Roca, 2002.

MANN, J.; TRUSWELL, A. S. Essentials of Human Nutrition. 3. ed. New York: Oxford, 2007.

MOZAFFARIAN, D.; ARO, A.; WILLET, W. C. Health effects of trans-fatty acids: experimental and observational evidence. European Journal of Clinical Nutrition, n. 63, p. S5–S21. 2009.

NEUTZLING, M. B. et al. Freqüência de consumo de dietas ricas em gorduras e pobre em fibras entre adolescentes. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 41, n. 3, jun. 2007.

PAPPEN, D. R. H. P. Elaboração e Caracterização de Biscoito sem Glúten a partir de Farinha de Amaranto, de Milho e de Arroz. 2013. 93 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Erechim, 2013.

ROBINSON, D. S. Bioquímica y Valor Nutritivo de los Alimentos. 1. ed. Zaragoza, ESP: ACRIBIA, 1991.

SCHERR, C.; RIBEIRO, J. P. O que o cardiologista precisa saber sobre gordura trans. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, São Paulo, v. 90, n. 1, jan. 2008.

SILVA, J. S. Sustentabilidade e Desenvolvimento de Cookie Desglutinizado para Dieta Restrita ao Glúten. 2012. 109 f. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 2012.

STRINGHETA, P. C. et al. A propaganda de alimentos e a proteção da saúde dos portadores de doença celíaca. H. U. Rev., Juiz de Fora, v. 32, n. 2, p. 43-46, abr./jun. 2006.

TEDRUS, G. A. S. et al. Estudo da adição de vital glúten à farinha de arroz, farinha de aveia e amido de trigo na qualidade de pães. Ciênc. Tecnol. Alimen., v. 21, n. 1, p. 20-25, jan./abr. 2001.

TEIXEIRA NETO, F. Nutrição Clínica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003.

VASCONCELOS COSTA, A. G.; BRESSAN, J.; SABARENSE, C. M. Ácidos Graxos Trans: alimentos e efeitos na saúde. Archivos Latino-americanos de Nutrición, Caracas, Venezuela, v. 56, n. 1, mar. 2006.

Publicado
28-05-2019
Como Citar
de Freitas Junior, P., & Pichetti, R. (2019). Desenvolvimento de cookie isento de gordura Trans e Glúten. Unoesc & Ciência - ACBS, 10(1), 51-58. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/acbs/article/view/20093