Conhecimento de profissionais da saúde diante da Hanseníase – um estudo transversal

  • Jéssica Maria Fachin Gemelli
  • Lucinara Costa
  • Mariane Carolina de Almeida UNOESC
  • Eduardo Janir de Souza UNOESC
Palavras-chave: Hanseníase, Médico, Enfermeiro

Resumo

Hanseníase é uma doença infectocontagiosa transmitida pelo Mycobacterium leprae, considerada um problema de saúde pública ainda nos tempos de hoje. O objetivo foi analisar o conhecimento de médicos e enfermeiros sobre Hanseníase. Foram entrevistados 28 profissionais, sendo 14 médicos e 14 enfermeiros. A coleta de dados ocorreu entre os meses de dezembro de 2016 e junho de 2017 por meio de um instrumento elaborado pelas acadêmicas baseado no caderno do Ministério da Saúde de 2015. Para análise estatística, utilizou-se o programa de análise de dados Epi Info 7, software criado pelo centro de controle e prevenção de doenças (CDC – Centers for Disease Control and Prevention). Os enfermeiros conseguiram maiores acertos em relação aos médicos quando questionados sobre questões relacionadas a estruturas acometidas, interrupção/perda de tratamento, diferenciação dos casos MB e PB, duração do tratamento para os dois casos, e a relação da imunidade com a Hanseníase; por sua vez, os médicos apresentaram melhores resultados quando questionados sobre localizações acometidas, composição da PQT, significado do esquema ROM, encaminhamento ao centro de referências, destinação para grupos de vacinação BCG e lesões comuns. Observou-se, ainda, que tanto enfermeiros quanto médicos tiveram o mesmo número de acertos quando questionados sobre a sequência para atendimento, principais nervos acometidos, significado da PQT, diferença do esquema PB e MB, recidiva da doença, confirmação da recidiva, tempo de contato interdomiciliar e transmissão do Bacilo quando inicia o tratamento. Conclui-se que as grandes dificuldades encontradas no tratamento e diagnóstico mostram a importância de educação continuada.

Biografia do Autor

Mariane Carolina de Almeida, UNOESC
Graduada em Enfermagem pela Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC - Campus Joaçaba (2014). Especialisra em Enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva(2017) e Meste em Biociências e Saúde pela Universidade do Oeste de Santa Catarina (2018). Atualmente Docente na Universidade do Oeste de Santa Catarina - campus de Joaçaba. 
Eduardo Janir de Souza, UNOESC
Graduado em Enfermagem (2011), Pós Graduado em Cardiologia para Enfermeiros (2012) pela AVM Faculdade Integrada, pós graduado em gestão em Saúde (2013) pelo Instituto Federal de Educação de Santa Catarina, pós graduado em Docência na Saúde (2015) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Mestrado em Biociências e Saúde (2018) pela Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC - Campus Joaçaba. Atualmente Docente no curso de Enfermagem na Universidade do Oeste de Santa Catarina - campus de Joaçaba. Tem como foco de estudo recusa as vacinas; urgência e emergência.

Referências

ARAÚJO, M. G. Hanseníase no Brasil. Revista de Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Belo Horizonte, p. 373-382, maio/jun. 2003. Disponível em: https://www.ligadonasaude.com.br/upload/article/51/7794b0624a30fed08f57d6a11690023e.pdf. Acesso em: 28 fev. 2017.

BORGES, D. P. L. et al. Hanseníase: imunopatogenia e aspectos terapêuticos. Saúde e Ciência em Ação: Revista Acadêmica do Instituto de Ciências da Saúde, Goiás, v. 3, n. 1, p. 108-117, ago./dez. 2016. Disponível em: http://revistas.unifan.edu.br/index.php/RevistaICS/article/view/241/183. Acesso em: 04 out. 2017.

DUARTE, M. T. C.; AYRES, J. A.; SIMONETTI, J. P. Consulta de Enfermagem: Estratégia de Cuidado ao Portador de Hanseníase em Atenção Primária. Texto Contexto - Enfermagem, Florianópolis, v. 18, n. 1, p. 100-107, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-07072009000100012&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 12 set. 2017.

FOSS, N. T. Episódios reacionais na hanseníase. Medicina, Ribeirão Preto, v. 36, p. 453-459, abr./dez. 2003. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/764/777. Acesso em: 8 mar. 2017.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Eliminar a Hanseníase é possível: um guia para os municípios. Brasília: Ministério da Saúde, 2015. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/ publicacoes/eliminar_hanseniase_possivel_versao_preliminar.pdf. Acesso em: 16 mar. 2017.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Vigilância em Saúde: situação epidemiológica da hanseníase no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicações/vigilancia_saude_situacao_hanseniase.pdf. Acesso em: 2 set. 2017.

PEDRAZZANI, E. S. A Enfermagem de Saúde Pública no Controle da Hanseníase: Conhecimento do Pessoal de Enfermagem. Rev. Esc. Enf. USP, São Paulo, p. 171-182, 1987. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0080-62341987000200171&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 26 ago. 2017.

SANTOS, A. S. dos; CASTRO, D. S. de; FALQUETO, A. Fatores de risco para transmissão da Hanseníase. Revista Brasileira de Enfermagem, Espírito Santo, v. 61, p. 738-743, nov. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v61nspe/ a14v61esp.pdf. Acesso em: 01 mar. 2017.

SERRES, J.; ROSA, R. Lepra e isolamento do Brasil: de antigas medidas sanitárias a “novas” práticas científicas. Revista História Catarina, Lages, n. 87, p. 47-52, 2010.

SILVA, M. F. da C. e. Relação entre a irregularidade do tratamento poliquimioterápico e a ocorrência de episódios reacionais em pacientes com Hanseníase. 2014. Dissertação (Mestrado em Medicina) – Instituto Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: http://157.86.8.8/reports/mestrado_bibcb/mariana_silva_ioc_mest_2014.pdf. Acesso em: 5 mar. 2017.

Publicado
28-05-2019
Como Citar
Gemelli, J. M. F., Costa, L., Almeida, M. C. de, & Souza, E. J. de. (2019). Conhecimento de profissionais da saúde diante da Hanseníase – um estudo transversal. Unoesc & Ciência - ACBS, 10(1), 45-50. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/acbs/article/view/19624