Doenças infectocontagiosas detectadas em exames pré-natais de pacientes de cinco municípios do extremo-oeste de Santa Catarina

  • Maiara Pimel
  • Everton Boff
Palavras-chave: ISTs, Gestantes, Transmissão vertical

Resumo

A triagem e o tratamento das doenças infecciosas em gestantes são de grande importância para o planejamento de ações preventivas e a elaboração de políticas de saúde materno-infantil. O objetivo desta pesquisa foi identificar as Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) detectadas em exames pré-natais e que são em gestantes de cinco municípios do Extremo-Oeste de Santa Catarina. A pesquisa utilizou dados primários, sendo caracterizada como retrospectiva do tipo descritivo-analítico. Ao todo, foram investigados 8.555 prontuários de gestantes no período de janeiro de 2008 a dezembro de 2016. As prevalências encontradas foram Sífilis gestacional (22 casos), Toxoplasmose (um caso), e Hepatites B e C (61 casos). O resultado do estudo mostrou que o maior índice de infecções em gestantes está concentrado nas hepatites virais. Ainda, apresentou um aumento significativo na incidência de Sífilis no período abordado. Por outro lado, foram encontrados resultados positivos e que demonstram sucesso nas ações de saúde pública. É o caso da ausência da rubéola e o baixo índice de toxoplasmose nas pacientes analisadas.

Referências

AMARAL, T. L. M. et al. Hepatite B e C na gestação: Características maternas e neonatais. Revista Interdisciplinar, v. 8, n. 3, p. 143-150, 2015.

AVELAR, J. B. et al. Reativação da toxoplasmose durante o oitavo mês de gestação. Revista Norte Mineira de Enfermagem, v. 4, n. 1, p. 57-69, 2015.

AVELINO, M. M. et al. Congenital toxoplasmosis and prenatal care state programs. BMC Infectious Diseases, London, v. 14, n. 33, p. 1-13, jan. 2014.

BÁRTHOLO, B. B. G. R. et al. Toxoplasmose na gestação Revista HUPE, Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 65-70, 2015.

BECKMANN, G. A. et al. Rubéola congênita: um caso de prevenção. Revista de Medicina e Saúde de Brasilia, v. 4, n. 1, p. 114-121, 2015.

CARDOSO, A. R. P. et al. Análise dos casos de sífilis gestacional e congênita nos anos de 2008 a 2010 em Fortaleza, Ceará, Brasil. Ciênc. Saúde coletiva, v. 23, n. 2, p. 563-574, 2018.

DE-PASCHALE, M. et al. Antenatal screening for Toxoplasma gondii, Cytomegalovirus, rubella and Treponema pallidum infections in northern Benin. Tropical Medicine & International Health, Oxford, v. 19, n. 6, p. 743-746, jun. 2014.

FIGUEIREDO, I. R. et al. Hepatite B congênita: Uma revisão. Ver Med Saúde, Brasília, DF, v. 5, n. 2, p. 322-332, 2016.

GASPAROTO, M. T.; THOMAZINI, C. M.; GOLDONI, A. L. Correlação entre cobertura vacinal e incidência de Hepatite B na região sul do Brasil. Revista Uningá, v. 20, n. 3, p. 77-81,2014.

GOMES FILHO, C. et al. Detecção de doenças transmissíveis em gestantes no estado de Goias: O teste da mamãe. Revista Patologia Tropical, v. 45, n. 4, p. 369-386, 2016.

IBGE. [2016?]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/. Acesso em: 18 jun. 2018.

LEAL, M. C. et al. Atenção ao pré-natal e parto em mulheres usuárias do sistema público de saúde residentes na Amazônia Legal e no Nordeste, Brasil 2010. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, Recife, v. 15, n. 1, p. 91-104, jan./mar. 2015.

MACIEL, R. B. et al. Perfil epidemiológico dos casos de sífilis na cidade de Americana-SP de 2005 a 2015. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, Santa Cruz do Sul, v. 7, n. 3, p. 161-168, 2017.

MOTTA, A. P.; OLIVEIRA, D.; SILVA, M. R. F. G. Frequência de toxoplasmose em gestantes de um município do interior paulista, no ano de 2016. 2017. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Enfermagem) – Fundação Universitária Vida Cristã, Pindamonhangaba, 2017.

NUNES, J. T. et al. Qualidade da assistência pré-natal no Brasil: revisão de artigos publicados de 2005 a 2015. Caderno saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 24, n. 2, p. 252-261, 2016.

OLIVEIRA JUNIOR, E. B. O. et al. Incidencia da sífilis: um estudo de caso do município de Guacui, Espirito Santo, Brasil. Revista Acta Biomedica Brasiliensia, v. 8, n. 1, 2017.

OLIVEIRA, M. C. B. et al. Susceptibilidade e prevalência da rubéola em gestantes atendidas em um município do interior maranhense. Revista Interdisciplinar, v. 9, n. 1, p. 182-190, 2016.

REDE INTERAGENCIAL DE INFORMAÇÕES PARA A SAÚDE. Incidência de síndrome da rubéola congênita. [S. l.]: Biblioteca Virtual em Saúde, 2008. Disponível em: http://www.ripsa.org.br/lis/resource/21565#.XJPOMiJKjbg. Acesso em: 19 jun. 2018.

SILVA, L. C. V. G. et al. Perfil dos casos de sífilis congênita em um município do sul de Mato Grosso. Journal Health NPEPS, v. 2, n. 2, p. 380-390, 2017.

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO. 2017.

SIQUEIRA, M. L. B. et al. Prevalência da infecção pelo Treponema pallidum em gestantes atendidas pela Unidade Municipal de Saúde de Rondonópolis, MT. Revista de publicação cientifica Biodiversidade, v. 16, n. 1, p. 210-217, 2017.

SOUZA, W. N. Sífilis gestacional por regiões brasileiras: Avaliação epidemiológica de 2008 a 2014. Universitas: Ciências da Saúde, Brasília, v. 14, n. 2, p. 97-104, jul./dez. 2016.

VIANA, D. R. et al. Hepatite B e C: Diagnóstico e tratamento. Revista de Patologia do Tocantins, v. 4, n. 3, p. 73-79, 2017.

Publicado
28-05-2019
Como Citar
Pimel, M., & Boff, E. (2019). Doenças infectocontagiosas detectadas em exames pré-natais de pacientes de cinco municípios do extremo-oeste de Santa Catarina. Unoesc & Ciência - ACBS, 10(1), 59-66. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/acbs/article/view/19053