A separação da mãe e do bebê na carceragem

  • Álvaro Cielo Mahl UNOESC
  • Renata Lais Solivo
Palavras-chave: Mulheres presas, Separação da mãe e bebê, Vínculo, Carceragem

Resumo

Com o presente estudo objetivou-se compreender as reações e efeitos gerados nas mães encarceradas em decorrência do rompimento de vínculos com o bebê e entender como essas mães se sentiram quando foram separadas dos filhos após os seis meses de convívio.  Desse modo, procurou-se responder à seguinte questão: quais os efeitos gerados na mãe encarcerada em decorrência do rompimento de vínculos entre mãe e bebê? Para a pesquisa, entrevistaram-se três detentas do gênero feminino, que estão cumprindo pena no Presídio Feminino de Chapecó, na região Oeste de Santa Catarina. Trata-se de uma pesquisa qualitativa com análise de conteúdo de Bardin (2000). A vivência da maternidade na prisão foi marcada como uma experiência de perdas, medos, culpas, solidão, insegurança e sofrimento em razão da separação dos filhos.

Referências

ALVES, A. Ser mulher em um sistema prisional feito por homens. Revista Carta Capital, jun. 2016. Disponível em: http://ponte.cartacapital.com.br/ser-mulher-em-um-sistema-prisional-feito-por-e-para-homens. Acesso em: 7 fev. 2017.

AMARAL, M. A. do. A reinserção social do apenado: necessidade de Políticas Públicas Efetivas. Brasília, DF, 2012. Disponível em: http://portal3.tcu.gov.br/portal/pls/portal/docs/2497034.PDF. Acesso em: 20 mar. 2017.

ANTONINI, L. C. Cárcere feminino, Direito a amamentação e a lei n. 11.942/2009 à luz dos princípios da humanidade e da pessoalidade da pena. 2015. Dissertação (Mestrado em Ciências Criminais) – Faculdade de Direito, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015. Disponível em: http://repositorio.pucrs.br/dspace/bitstream/10923/7009/1/000464937-Texto%2bParcial-0.pdf. Acesso em: 23 fev. 2017.

AVELINO, D. A. O.; BARRETO, M. L. M. A família acolhedora e a política pública: um modelo em avaliação. Oikos: Revista Brasileira de Economia Doméstica, Viçosa, v. 26, n. 1, p. 143-173, 2015. Disponível em: http://www.locus.ufv.br/handle/123456789/13360. Acesso em: 7 fev. 2017.

AZAMBUJA, M. R. F. Os bebês filhos de mães que cumprem pena privativa de liberdade. Revista Gênero e Direito, v. 1, p. 46-67, 2013. Disponível em: periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/ged/article/download/16947/9647. Acesso em: 30 jul. 2016.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2000. 225 p.

BORSA, J. C. Considerações acerca da relação mãe-bebê da gestação ao puerpério. Contemp. Psicanálise e Transdisciplinaridade, Porto Alegre, n. 2, p. 310-321, abr./jun. 2007.

CAYRES, G. R. M.; SPONCHIADO, V. B. Y. O Direito de Visita de Crianças e Adolescentes no Sistema Prisional Brasileiro. Cadernos do programa de pós-graduação em Direito PPGDir/UFRGS, v. 10, n. 3, p. 129-147, 2015. Disponível em: file:///C:/Users/CRAS/Downloads/58851-252204-1-PB.pdf. Acesso em: 23 mar. 2017.

CÚNICO, S. D.; BRASIL, M. V.; BARCINSKI, M. A maternidade no contexto do cárcere: uma revisão sistemática. Estud. pesqui. psicol., Rio de Janeiro, v. 15, n. 2, p. 509-528, jul. 2015. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812015000200005&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 23 mar. 2017.

GIORDANI, A. T.; BUENO, S. M. A maternidade para mulheres detentas e a

Transmissão vertical das DST/Aids. DST J. Bras. Doenças Sex. Transm., Rio de Janeiro, v. 13, n. 6, p. 12-24, 2001. Disponível em: http://www.dst.uff.br/revista13-6-2001/Cap%203%20-%20A%20maternidade%20para%20mulheres%20detentas.pdf. Acesso em: 2 fev. 2018.

GUEDES, M. A. Intervenções psicossociais no sistema carcerário feminino. Psicol. cienc. prof., Brasília, DF, v. 26, n. 4, p. 558-569, dez. 2006. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932006000400004&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 20 fev. 2018.

GRECO, R. Direitos Humanos, Sistema Prisional e Alternativa à Privação de Liberdade. São Paulo: Saraiva, 2011.

LEVANTAMENTO NACIONAL DE INFORMAÇÕES PENITENCIÁRIAS INFOPEN. 2014. Disponível em: http://www.justica.gov.br/noticias/mj-divulgara-novo-relatorio-do-infopen-nesta-terca-feira/relatorio-depen-versao-web.pdf. Acesso em: 21 mar. 2018.

LOPES, R. Prisioneiras de uma mesma história: o amor materno atrás das grades. 2004. 268 f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-30012008-141820/pt-br.php. Acesso em: 20 jun. 2017.

MAKKI, S. H.; SANTOS, M. L. Gênero e criminalidade: Um olhar sobre a mulher encarcerada no Brasil. 2014. Disponível em: http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=8080. Acesso em: 16 set. 2016.

MODESTI, M. C. Mulheres aprisionadas: as drogas e as dores da privação de liberdade. Chapecó: Argos, 2013.

OLIVEIRA, A. F. População feminina na prisão cresce quase duas vezes mais que a masculina. 2014. Disponível em: http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2014-07-08/populacao-feminina-na-prisao-cresce-quase-duas-vezes-mais-que-a-masculina.html. Acesso em: 17 abr. 2018.

RITA, R. P. S. Mães e crianças atrás das grades: em questão o princípio da dignidade da pessoa humana. Dissertação de Mestrado Não Publicada, Curso de Pós-Graduação em Política Social, Universidade de Brasília. Brasília, DF, 2006. Disponível em: http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/6377/1/2006_Rosangela%20Peixoto%20Santa%20Rita.pdf . Acesso em: 27 mar. 2018.

ROSSONI, T. R. D. O sistema prisional brasileiro e as dificuldades de ressocialização do preso. Florianópolis: [S. n..], 2014. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/33578/o-sistema-prisional-brasileiro-e-as-dificuldades-de-ressocializacao-do-preso. Acesso em: 22 mar. 2017.

STELLA, C. Filhos de mulheres presas: soluções e impasses para seus desenvolvimentos. São Paulo: LCTE Editora, 2006. 117 p.

VIAFORE, D. A gravidez no cárcere brasileiro: uma análise da Penitenciária

Feminina Madre Palletier. Dir. Justiça, Porto Alegre, v. 31, n. 27, p. 91-108, 2005. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fadir/article/view/571. Acesso em: 22 mar. 2017.

Publicado
28-05-2019
Como Citar
Mahl, Álvaro, & Solivo, R. (2019). A separação da mãe e do bebê na carceragem. Unoesc & Ciência - ACBS, 10(1), 23-30. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/acbs/article/view/18955