A separação da mãe e do bebê na carceragem

  • Álvaro Cielo Mahl UNOESC
  • Renata Lais Solivo
Palavras-chave: Mulheres presas, Separação da mãe e bebê, Vínculo, Carceragem

Resumo

Com o presente estudo objetivou-se compreender as reações e efeitos gerados nas mães encarceradas em decorrência do rompimento de vínculos com o bebê e entender como essas mães se sentiram quando foram separadas dos filhos após os seis meses de convívio.  Desse modo, procurou-se responder à seguinte questão: quais os efeitos gerados na mãe encarcerada em decorrência do rompimento de vínculos entre mãe e bebê? Para a pesquisa, entrevistaram-se três detentas do gênero feminino, que estão cumprindo pena no Presídio Feminino de Chapecó, na região Oeste de Santa Catarina. Trata-se de uma pesquisa qualitativa com análise de conteúdo de Bardin (2000). A vivência da maternidade na prisão foi marcada como uma experiência de perdas, medos, culpas, solidão, insegurança e sofrimento em razão da separação dos filhos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, A. Ser mulher em um sistema prisional feito por homens. Revista Carta Capital, jun. 2016. Disponível em: http://ponte.cartacapital.com.br/ser-mulher-em-um-sistema-prisional-feito-por-e-para-homens. Acesso em: 7 fev. 2017.

AMARAL, M. A. do. A reinserção social do apenado: necessidade de Políticas Públicas Efetivas. Brasília, DF, 2012. Disponível em: http://portal3.tcu.gov.br/portal/pls/portal/docs/2497034.PDF. Acesso em: 20 mar. 2017.

ANTONINI, L. C. Cárcere feminino, Direito a amamentação e a lei n. 11.942/2009 à luz dos princípios da humanidade e da pessoalidade da pena. 2015. Dissertação (Mestrado em Ciências Criminais) – Faculdade de Direito, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015. Disponível em: http://repositorio.pucrs.br/dspace/bitstream/10923/7009/1/000464937-Texto%2bParcial-0.pdf. Acesso em: 23 fev. 2017.

AVELINO, D. A. O.; BARRETO, M. L. M. A família acolhedora e a política pública: um modelo em avaliação. Oikos: Revista Brasileira de Economia Doméstica, Viçosa, v. 26, n. 1, p. 143-173, 2015. Disponível em: http://www.locus.ufv.br/handle/123456789/13360. Acesso em: 7 fev. 2017.

AZAMBUJA, M. R. F. Os bebês filhos de mães que cumprem pena privativa de liberdade. Revista Gênero e Direito, v. 1, p. 46-67, 2013. Disponível em: periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/ged/article/download/16947/9647. Acesso em: 30 jul. 2016.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2000. 225 p.

BORSA, J. C. Considerações acerca da relação mãe-bebê da gestação ao puerpério. Contemp. Psicanálise e Transdisciplinaridade, Porto Alegre, n. 2, p. 310-321, abr./jun. 2007.

CAYRES, G. R. M.; SPONCHIADO, V. B. Y. O Direito de Visita de Crianças e Adolescentes no Sistema Prisional Brasileiro. Cadernos do programa de pós-graduação em Direito PPGDir/UFRGS, v. 10, n. 3, p. 129-147, 2015. Disponível em: file:///C:/Users/CRAS/Downloads/58851-252204-1-PB.pdf. Acesso em: 23 mar. 2017.

CÚNICO, S. D.; BRASIL, M. V.; BARCINSKI, M. A maternidade no contexto do cárcere: uma revisão sistemática. Estud. pesqui. psicol., Rio de Janeiro, v. 15, n. 2, p. 509-528, jul. 2015. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812015000200005&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 23 mar. 2017.

GIORDANI, A. T.; BUENO, S. M. A maternidade para mulheres detentas e a

Transmissão vertical das DST/Aids. DST J. Bras. Doenças Sex. Transm., Rio de Janeiro, v. 13, n. 6, p. 12-24, 2001. Disponível em: http://www.dst.uff.br/revista13-6-2001/Cap%203%20-%20A%20maternidade%20para%20mulheres%20detentas.pdf. Acesso em: 2 fev. 2018.

GUEDES, M. A. Intervenções psicossociais no sistema carcerário feminino. Psicol. cienc. prof., Brasília, DF, v. 26, n. 4, p. 558-569, dez. 2006. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932006000400004&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 20 fev. 2018.

GRECO, R. Direitos Humanos, Sistema Prisional e Alternativa à Privação de Liberdade. São Paulo: Saraiva, 2011.

LEVANTAMENTO NACIONAL DE INFORMAÇÕES PENITENCIÁRIAS INFOPEN. 2014. Disponível em: http://www.justica.gov.br/noticias/mj-divulgara-novo-relatorio-do-infopen-nesta-terca-feira/relatorio-depen-versao-web.pdf. Acesso em: 21 mar. 2018.

LOPES, R. Prisioneiras de uma mesma história: o amor materno atrás das grades. 2004. 268 f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-30012008-141820/pt-br.php. Acesso em: 20 jun. 2017.

MAKKI, S. H.; SANTOS, M. L. Gênero e criminalidade: Um olhar sobre a mulher encarcerada no Brasil. 2014. Disponível em: http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=8080. Acesso em: 16 set. 2016.

MODESTI, M. C. Mulheres aprisionadas: as drogas e as dores da privação de liberdade. Chapecó: Argos, 2013.

OLIVEIRA, A. F. População feminina na prisão cresce quase duas vezes mais que a masculina. 2014. Disponível em: http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2014-07-08/populacao-feminina-na-prisao-cresce-quase-duas-vezes-mais-que-a-masculina.html. Acesso em: 17 abr. 2018.

RITA, R. P. S. Mães e crianças atrás das grades: em questão o princípio da dignidade da pessoa humana. Dissertação de Mestrado Não Publicada, Curso de Pós-Graduação em Política Social, Universidade de Brasília. Brasília, DF, 2006. Disponível em: http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/6377/1/2006_Rosangela%20Peixoto%20Santa%20Rita.pdf . Acesso em: 27 mar. 2018.

ROSSONI, T. R. D. O sistema prisional brasileiro e as dificuldades de ressocialização do preso. Florianópolis: [S. n..], 2014. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/33578/o-sistema-prisional-brasileiro-e-as-dificuldades-de-ressocializacao-do-preso. Acesso em: 22 mar. 2017.

STELLA, C. Filhos de mulheres presas: soluções e impasses para seus desenvolvimentos. São Paulo: LCTE Editora, 2006. 117 p.

VIAFORE, D. A gravidez no cárcere brasileiro: uma análise da Penitenciária

Feminina Madre Palletier. Dir. Justiça, Porto Alegre, v. 31, n. 27, p. 91-108, 2005. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fadir/article/view/571. Acesso em: 22 mar. 2017.

Publicado
28-05-2019
Como Citar
Mahl, Álvaro C., & Solivo, R. L. (2019). A separação da mãe e do bebê na carceragem. Unoesc & Ciência - ACBS, 10(1), 23-30. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/acbs/article/view/18955