Lesão medular traumática: mudanças biopsicossociais e suas consequências

  • Cintia Soligo
  • Amanda Angonese Sebben
Palavras-chave: Lesão medular traumática, Aspectos biopsicossociais

Resumo

Lesão Medular Traumática é conceituada como uma doença crônica das mais incapacitantes, sendo que seus danos físicos são permanentes e irreversíveis, acarretando interferências biopsicossociais à vida do indivíduo acometido. Por meio desta pesquisa, buscou-se verificar quais as mudanças sofridas pelas vítimas de lesão medular traumática diante da sua nova realidade de vida. Para isso, realizou-se uma pesquisa qualitativa, por meio de um roteiro com entrevista semiestruturada. Nesta pesquisa, participaram quatro pessoas adultas escolhidas por conveniência, utilizando como critérios que elas tivessem se lesionado em um período de três a dez anos, sendo que o tempo de lesão é conforme a situação dos participantes, e que elas se encontrassem na faixa etária entre 20 e 40 anos, residentes na região de Oeste de Santa Catarina. Para análise dos dados foi utilizada a análise de conteúdo, de acordo com Bardin. Por meio dos relatos das pessoas entrevistadas, percebe-se que, quanto mais independente as pessoas lesionadas eram em seu cotidiano, mais elas conseguiram ter uma visão positiva da situação na qual se encontram. Portanto, o fato de ter se tornado um paraplégico ou um tetraplégico passa a ser permeado pela vivência de limitações, dependências, sentimentos e reações nos aspectos biopsicossociais que possuem um extremo significado na vida dessas pessoas.

Referências

AMARAL, L. A. Conhecendo a deficiência: em companhia de Hércules. São Paulo: Robe Editorial, 1995.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições, 2000.

BECKER, E. et al. Deficiência: Alternativas de Intervenção. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1997.

BORGES, A. M. F. et al. Percepção das pessoas com lesão medular sobre a sua condição. Rev Gaúcha Enferm., v. 33, n. 3, p. 119-125, 2012.

CALIRI, M. H. Tentando resolver as incertezas frente a histerectomia. 1994. 143 p. Tese (Doutorado) – Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, 1994.

GOFFMAN, E. Estigma: Notas sobre a Manipulação da Identidade Deteriorada. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1988.

GONSALVES, A. M. T. et al. Aspectos epidemiológicos de lesão medular traumática na área de referência do Hospital Estadual Mário Covas. Arquivos Médicos do ABC, Santo André, v. 32, n. 2, 2007.

KOVÁCS, M. J. Deficiência adquirida e qualidade de vida - possibilidades de intervenção psicológica. In: MASINI, E. A. F. S. et al. Deficiência: alternativas de intervenção. São Paulo, Casa do Psicólogo, 1997.

LELOUP, J. Y. O corpo e seus símbolos: uma antropologia essencial. 6. ed. Petrópolis, Vozes, 1999.

MURTA, S. G.; GUIMARÃES, S. S. Enfrentamento à lesão medular traumática. Revista Estudos de Psicologia, Natal, v. 12, n. 1, jan./abr. 2007.

PECCI, J. C. Velejando a vida. São Paulo, Saraiva, 1998.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas,

SANTOS, L. C. R. dos. Re dimensionando limitações e possibilidades: a trajetória da pessoa com lesão medular traumática. 2000. 111 p. Tese (Doutorado em Enfermagem) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000. Disponível em: http://www.teses.usp.br/. Acesso em: 15 out. 2015.

SCHOELLER, S. D. et al. Mudanças na vida das pessoas com lesão medular adquirida Rev. Eletr. Enf., v. 14, n. 1, p. 95-103, jan./mar. 2012. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/v14/n1/v14n1a11.htm. Acesso em: 22 set. 2015.

VASH, C. L. Enfrentando a deficiência. São Paulo: Pioneira/EDUSP, 1988.

VENTURINI, D. A.; DECÉSARO, M. das N.; MARCON, S. S. Alterações e expectativas vivenciadas pelos indivíduos com lesão raquimedular e suas famílias. Revista Enfermagem USP, São Paulo, 2007.

Publicado
28-05-2019
Como Citar
Soligo, C., & Sebben, A. (2019). Lesão medular traumática: mudanças biopsicossociais e suas consequências. Unoesc & Ciência - ACBS, 10(1), 67-74. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/acbs/article/view/16759