Influência do exercício físico intenso sobre a atividade sérica, salivar e urinária da Aldolase

  • Eduardo Ottobelli Chielle UNOESC
  • Roberta Scaramussa Cogo
  • Jorlana Stake Maziero

Resumo

A lesão muscular esquelética é um evento frequente. O diagnóstico utilizando os marcadores sanguíneos clássicos às vezes produz resultados insatisfatórios em razão da grande variabilidade interindividual. Portanto, a identificação de biomarcadores confiáveis e agudos é importante. O objetivo neste trabalho foi verificar a atividade plasmática, salivar e urinária da aldolase em resposta ao dano muscular agudo induzido por exercício físico intenso. Realizou-se um estudo transversal com 27 jogadores de futebol americano com idade média de 22,5 anos. Antes dos exercícios físicos intensos (T0), 60 minutos (T1) e 24 horas (T2) após o treinamento físico intenso, foram determinados os parâmetros clínicos e a determinação da atividade da Aldolase em amostras de soro, saliva e urina. A aldolase sérica foi significativamente maior no T1 e T2, enquanto a atividade salivar foi significativamente maior no T1, com redução significativa em T2; na urina não houve diferenças significativas quando comparado o antes e o depois do exercício físico intenso. Os resultados permitem sugerir que a atividade sérica e salivar da aldolas e são biomarcadores interessantes que permitem um monitoramento agudo de lesão muscular; destaca-se a atividade salivar da aldolas e, uma vez que esta é uma amostra de fácil coleta e processamento simples e que poderia ser introduzida como dosagens rotineiras e seriadas após exercícios físicos para monitorar atletas, evitando lesões mais graves e contribuindo para o seu desempenho.

Palavras-chave: Lesão muscular. Exercício físico. Saliva. Biomarcadores. Atletas.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
05-10-2017
Como Citar
Ottobelli Chielle, E., Cogo, R. S., & Maziero, J. S. (2017). Influência do exercício físico intenso sobre a atividade sérica, salivar e urinária da Aldolase. Unoesc & Ciência - ACBS, 8(2), 153-160. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/acbs/article/view/13050