DENTINOGÊNESE IMPERFEITA

  • Aline Costenaro Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Laralicia Casagrande Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Lucas José Gatelli Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC
  • Rafael Luís Usinger Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC

Resumo

A dentinogênese imperfeita é uma anormalidade genética, autossômica dominante, que atinge o crescimento dentário, mais precisamente o desenvolvimento da dentina, afetando ambas as dentições, interferindo no tamanho, na forma e no número dos dentes. Saber diagnosticar e classificar adequadamente essa anomalia é muito importante para a realização de um tratamento adequado. O objetivo neste trabalho é descrever a partir de uma revisão de literatura as características clínicas da dentinogênese imperfeita, como, principalmente, alertar os profissionais odontológicos para a gravidade dessa malformação. A dentinogênese imperfeita é classificada como tipo I: associada à osteogênese imperfeita, tipo II: não associada à osteogênese imperfeita e tipo III: considerada a mais rara, presente em uma população isolada. A principal característica clínica é a alteração de cor em tons de azul acinzentado ou marrom amarelado e forte translucidez. A gravidade das alterações dentárias varia de acordo com o desenvolvimento do dente. Radiograficamente apresentam alterações na porção coronária, radicular e na câmara pulpar. Histologicamente a dentina remanescente é anormal, em que túbulos disformes e curtos percorrem uma matriz de dentina granular atípica, sendo os odontoblastos atípicos e escassos. O tratamento varia de acordo com o grau e a condição na qual o paciente se encontra, podendo abordar desde medidas de preservação, até tratamentos mais extensos como coroas de celuloide, coroas de aço, reabilitação protética e implantes. Em decorrência do baixo nível socioeconômico da maioria dos portadores dessa anomalia, o prognóstico nem sempre é favorável, findando na colocação de próteses totais para o restabelecimento da dimensão vertical e da função mastigatória do paciente. É válido salientar que a dentinogênese imperfeita é incurável, por isso quanto antes diagnosticado, melhor será a sua evolução para definir o tratamento adequado e orientar o paciente quanto à necessidade de preservação dos elementos dentais.

Palavras-chave: Dentinogênese imperfeita. Anomalias dentárias. Anormalidades congênitas.

Biografia do Autor

Aline Costenaro, Universidade do Oeste de Santa Catarina
Professora da Universidade do Oeste de Santa Catarina.
Laralicia Casagrande, Universidade do Oeste de Santa Catarina
Graduanda em Odontologia
Lucas José Gatelli, Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC
Graduando em Odontologia
Rafael Luís Usinger, Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC
Graduando em Odontologia

Referências

NEVILLE, Brad W.; DAMM, Douglas D.; ALLEN, Carl M.; BOUQUOT, Jerry E. Patologia oral e maxilofacial. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009. xviii, 972 p.

RAJENDRAN, R; SIVAPATHASUNDHARAM, B. Textbook of oral pathology. 7. ed. India: Elsevier, 2012. 2869 p.

CARDOSO, Tatiana; CUNHA, Rhyna; CARDOSO, Lopes Inês. Dentinogénese imperfeita: breve revisão. 2011. Porto. Disponível em: <http://www.elsevier.pt/pt/revistas/revista-portuguesa-estomatologia-medicina-dentaria-e-cirurgia-maxilofacial-330/artigo/dentinogenese-imperfeita-breve-revisao-90002117> Acesso em 16 out. 2015.

BRÜMMER, Edna Aparecida Arceno. FRANCIO, Luciano A. Dentinogênese imperfeita tipo II: relato de caso. 2015. 33 f. Trabalho de conclusão de curso (odontologia). Universidade Tuiuti do Paraná, Curitiba, 2015. Disponível em: <http://tcconline.utp.br/media/tcc/2015/10/DENTINOGENESE-IMPERFEITA-TIPO-II.pdf> Acesso em: 16 out. 2015.

Publicado
07-03-2016
Como Citar
Costenaro, A., Casagrande, L., Gatelli, L., & Usinger, R. (2016). DENTINOGÊNESE IMPERFEITA. Ação Odonto, 3(2), 13. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/acaodonto/article/view/9314
Seção
Resumo Categoria I