AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTI-INFLAMATÓRIA DO EXTRATO BRUTO DE PARAPIPTADENIA RIGIDA (ANGICO), PLINIA EDULIS (CAMBUCÁ) E LUEHEA DIVARICATA (AÇOITA)

  • Julia Turra Ribeiro Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC
  • Geisson Marcos Nardi UNOESC

Resumo

A prescrição de fármacos para controle do processo inflamatório é prática comum do odontólogo. Apesar de amplamente utilizados, os fármacos anti-inflamatórios apresentam uma série de efeitos colaterais que inviabilizam seu uso por uma parte significativa de pacientes. Portanto, a pesquisa de novas drogas que reduzam a inflamação se torna necessária, buscando compostos que sejam mais bem tolerados. O processo inflamatório é um evento que, em geral, visa reparar algum dano tecidual, porém, em muitos casos, pode se tornar crônico, lesionando órgãos e tecidos. Muitas plantas são utilizadas empiricamente no tratamento de doenças, sem que seu efeito seja estudado ou comprovado. Objetivou-se, com este trabalho, avaliar se os extratos brutos de Parapiptadenia rigida (Angico), Plinia edulis (Cambucá) e Luehea divaricata (Açoita) apresentam efeito anti-inflamatório, já que essas plantas são utilizadas na medicina popular, mas sem comprovação científica. Os modelos experimentais utilizados foram o edema de pata em camundongos e contorções abdominais induzidas pelo ácido acético. Os resultados mostraram que o extrato de Plinia edulis não possui efeito anti-inflamatório, pois o tratamento prévio nos animais não foi capaz de reduzir o edema de pata induzido pela carragenina. O extrato bruto hidroalcoolico (EBH) de Parapiptadenia rigida apresentou uma resposta anti-inflamatória dose-dependente, reduzindo o edema de pata induzido pela carragenina em 74,5%, na dose de 300 mg/Kg, e em 31,5%, na de 100 mg/Kg. O EBH da casca de Parapiptadenia rigida foi mais efetivo na redução das contorções do que o da folha. E a fração aquosa da Luehea divaricata foi a mais efetiva em reduzir as contorções induzidas pelo ácido acético. Assim, conclui-se que o extrato de P. rigida apresenta efeito anti-inflamatório pela redução do edema e das contorções abdominais e a fração aquosa da açoita possui um efeito em reduzir as contorções abdominais.

Palavras-chave: Anti-inflamatório. Plantas medicinais. Edema de pata. Contorções abdominais. Antiedematogênico.

Biografia do Autor

Geisson Marcos Nardi, UNOESC
Formado em FARMACIA pela Universidade Federal de Santa Catarina (1999), com mestrado (2002) e doutorado (2011) em farmacologia pela mesma instituição. Atualmente atua como professor da UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA e coordenador ciêntífico - Laboratório de Atividade Biológica de Substâncias. Exerce atividades de pesquisa na área de farmacologia com ênfase no estudo de compostos bioativos derivados de plantas medicinais com atividade analgésica, antioxidante, antiinflamatóra e cardiovascular. Além disso, investiga também as alterações cardiovasculares resultantes do processo infeccioso durante o choque séptico.

Referências

ARAGÃO, Jeremias Gaído; CONCEIÇÃO, Gonçalo Mendes. Myrtaceae: Espécies das subtribos Eugeniinae, Myrciinae e Myrtinae registradas para o Estado do Maranhão. Revista Sinapse Ambiental, 2008, p. 7 a 17.

BALBACH, A. A flora nacional na medicina doméstica. São Paulo: a edificação do lar. 1980.

BILATE, Angelina M. B. Inflamação, citocinas, proteínas de fase aguda e implicações terapêuticas. Temas de Reumatologia Clínica, v. 08, n0 2, 2007, p. 47 a 51.

BRAGGIO, M. M; LIMA, M. E. L.; VEASEY, E. A.; HARAGUCHI, M. Atividades farmacológicas das folhas da Sesbania virgata (cav.) Pers. Arq. Inst. Biologia, São Paulo, 2002, v.69, n.4, p.49-53.

CARNEIRO, Fátima. Inflamação aguda. Biopatologia. Faculdade de Medicina da Universidade de Porto, 2006, p. 1 a 16.

CARVALHO, Eudislaine Fonseca. Avaliação do efeito antiinflamatório de cedrela fissilis.2011. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Biológicas – Biotecnologia)-Universidade do Oeste de Santa Catarina – Unoesc, Joaçaba, 2011.

CASTRO MAS. Mecanismos envolvidos no efeito antinociceptivo do 3-O-glicosil-dihidrocanferol, flavonóide extraído dos rizomas de Cochlospermum regium (“algodãozinho”). Escola Paulista de Medicina. Universidade Federal de São Paulo p 1-155,São Paulo, Brasil, Tese de doutorado, 2000.

CHAHADE, Wiliam Habib; GIORGI, Rina Dalva Neubarth; SZAJUBOK, Jose Carlos Mansur. Anti-inflamatórios não-hormonais. 2008, p. 166 a 174.

CHAU TT. Analgesic testing in animals models. Pharmacol. Meth. Control Inflamm 1989; 5: 195-212.

FLORIANO, Eduardo Pagel; GRACIOLI, Cibele Rosa; FLORIANO, Amarílio Motta; FLORIANO, Rosana Maria Motta; Trabalho técnico-científico; nº 2; 1ª ed.; Censo da Arborização da Região Central da Cidade de Horizontina – RS; Santa Rosa; 2004.

FRANCA, Inácia Sátiro Xavier de; SOUZA, Jeová Alves de; BAPTISTA, Rosilene Santos and BRITTO, Virgínia Rossana de Sousa. Medicina popular: benefícios e malefícios das plantas medicinais. Rev. bras. enferm. [online]. 2008, vol.61, n.2 [cited 2014-08-05], pp. 201-208

GOMES, Mario Sergio da Rocha; CARVALHO, Mario Geraldo; CARVALHO, Acácio Geraldo. Constituintes químicos isolados de Parapiptadenia rigida Benth. (Leguminosae-Mimosoideae). Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2003.

GONÇALVES, A.L.; MENEZES, H. ALVES filho, A. Estudo comparativo da utilidade antimicrobiana de extratos de algumas árvores nativas. Arquivo Instituto de Biologia. São Paulo, v. 72, nº 3, 2005, p. 353 a 358.

ISCHIKAWA et al. Aspectos morfoanatômicos e triagem fotoquímica de Plinia edulis (Vell.) Sobral (Myrtaceae). Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas. São Paulo, v. 44, no3, 2008.

MACIEL, Maria Aparecida M.; PINTO, Angelo C; VEIGA JR. Valdir F. Plantas medicinais: a necessidade de estudos multidisciplinares. Quimíca Nova, Rio de Janeiro, v. 25, n0 3, 2002, p. 429 a 438.

MEZZOMO, Anestor. Cambucá – Plinia edulis. Árvores do Brasil, 2009. Disponível em:< http://www.arvores.brasil.nom.br/new/cambuca/index.htm>. Acessado em: set.2011

MONDO, Vitor Henrique Vaz; BRANCALION, Pedro Henrique Santin; CICERO, Silvio More e colaboradores. Teste de germinação de sementes da Parapiptadenia Rígida. Revista Brasileira de Sementes, vol.30, nº 2, 2008, p.177 a 183.

NASCIMENTO, Paula Kielse Vargas. Regeneração in vitro de Parapiptadenia rigida (Bentham) Brenan. Dissertaçao de mestrado, Santa Maria, 2008. Disponível em:<http://www.vsdani.com/ppgef/tesesdissertacoes/Dissertacao%20Paula%20K.pdf>. Acessado em: set. 2011.

NONATO, Fabiana Regina et al. Antiinflammatory and antinociceptive activities of Blechnum occidentale L. extract. Journal of Ethnopharmacology, 2009.

OLIVEIRA, Debora Ramos et al. Metabólitos especiais isolados de folhas de Parapiptadenia rigida. Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química. Rio de Janeiro, 2010.

OLIVEIRA, Edilberto Antonio Souza. Fármacos anti-inflamatórios. Apostila n0. 04, 2009, p. 1 a 12. Disponível em: <http://www.easo.com.br/Downloads/Farmacos%20Anti-inflamatorios.pdf>. Acessado em: set. 2011.

PALMEIRA, Josman Dantas et al. Avaliação da atividade antimicrobiana in vitro e determinação da concentração inibitória mínima (CIM) de extratos hidroalcoolico de angico sobre cepas de Staphylococcus aureus. RBAC, v. 42, no 01, 2010, p. 33 a 37.

PEREIRA, I.C et al. Atividade anti-inflamatória da planta Blutaparon portulacoides no efeito edematogênico induzido pelo veneno de Bothrops jararacussu. XII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e VIII Encontro Latino Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba. 2008. Disponível em: <http://www.inicepg.univap.br/cd/INIC_2008/anais/arquivos >. Acessado em: mai. 2012.

PIVETA, Graziela et al. Qualidade sanitária e fisiológica de sementes de Angico-Vermelho após aplicação de extratos vegetais. Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2007. Disponível em: < http:// www.ufsm.br/>. Acessado em: ago. 2011.

RANG, H. P.; DALE, M. M.; RITTER, J. M. FARMACOLOGIA. Rio de Janeiro, Ed. Guanabara Koogan S/A, 2001, p. 165 a 172.

REIS,C. M. F. et al. Atividade Anti-inflamatória, antiúlcera gástrica e toxicidade subcrônica do extrato etanólico de própolis. Revista Brasileira de Farmacognosia, 2000, p. 43 a 52.

ROCHA, Luiz Renato Flaquer. Efeito Anti-inflamatório da fração apolardo extrato das folhas de Nepeta cataria (catnip) em ratas.2007. 109 f. Dissertação (Mestrado em Medicina Veterinária)-Universidade Paulista, São Paulo, 2007.

RODRIGUES, Eliana ; ALMEIDA, Joaquim M. Duarte; PIRES, Júlia Movilla. Perfil farmacológico e fitoquímico de plantas indicadas pelos caboclos do Parque Nacional do Jaú (AM) como potenciais analgésicas. Parte I. Revista Brasileira de Farmacognosia,2010.

SARTORI, L. R. et al. Atividade Anti-inflamatória do granulado de Calendula officinalis L. e Matricaria recutita L. Revista Brasileira de Farmacognosia, vol. 13, 2003, p. 17 a 19.

SCHUMACHER, Mauro Valdir; CECONI, Denise Ester; SANTANA, Cedinara Arruda. Influencia de diferentes doses de fósforo no crescimento de mudas de angico vermelho. Revista Árvore, vol. 28, nº 1, 2004, p. 149 a 155.

SIEGMUND E. CADMUS, R. LU G. A method for evaluating both non-narcotic and narcotig analgesic. Proc. Soc Exp Biol Med 1957; 95: 729-731.

SILVA, Penildon (Org). FARMACOLOGIA. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan S/A, 2002.

SILVA, Rosimar R. et al. Efeito de flavonóides no metabolismo do ácido araquidônico. Medicina Ribeirão Preto, ed. 35, 2002, p. 127 a 133.

SILVA, Saul Luíz. Estudo indica fármacos sem efeitos colaterais contra gotas. Jornal da Unicamp, ed. 238, Nov. 2003. Disponível em: < http://www.unicamp.br/unicamp/unicamp_hoje/ju/novembro2003/ju238pag04a.html>. Acessado em: set. 2011.

SIMÕES, C. M. O.; et al. Farmacognosia da planta ao medicamento. 5. ed. Porto Alegre: UFRGS, 2004.

VALLILO, M ária Isabel, et al. Composição química dos frutos de Campomanesia xanthocarpa Berg – Myrtaceae. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 28, 2008, p. 231 a 237.

VALLILO, Maria Isabel; BUSTILLOS, Oscar Veja; AGUIAR, Osny Tadeu. Identificação de terpenos no óleo essencial dos frutos de Campomanesia adamantium ( Cambassédes) O. Berg – Myrtaceae. Ver. Instituto Floresta, São Paulo, v. 18, n0 único, 2006, p.15 a 22.

VARGAS, VM; GUIDOBONO, RR; HENRIQUES, JA.; Genotoxicity of plant extracts; Mem Inst Oswaldo Cruz; 1991; 86 Suppl 2: 67-70.

VOLP, Ana Carolina Pinheiro et al. Capacidade dos biomarcadores inflamatórios em predizer a Síndrome Metabólica. Arquivo Brasileiro de Endocrinologia e Metabolitos. Minas Gerais, 2008, p. 537 a 549).

WHITTLE, BA. Release os a kinin by intraperitoneal injection os chemical agents in mice. Int J Neuropharmacol 1964; 3: 369-378.

WOLFMAN C; VIOLA, H; LEVI DE STEIN M; WASOWSKI C; PENA C; MEDINA JH; PALADINI AC.; Isolation of pharmacologically active benzodiazepine receptor ligands from Tilia tomentosa (Tiliaceae); J Ethnopharmacol. 1994 Aug; 44 (1): 47-53.

Publicado
01-09-2015
Como Citar
Ribeiro, J. T., & Nardi, G. M. (2015). AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTI-INFLAMATÓRIA DO EXTRATO BRUTO DE PARAPIPTADENIA RIGIDA (ANGICO), PLINIA EDULIS (CAMBUCÁ) E LUEHEA DIVARICATA (AÇOITA). Ação Odonto, 3(1), 18. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/acaodonto/article/view/7207
Seção
Resumo Categoria II