Moldagem funcional em prótese total utilizando material impregum (poliéter)

  • Tailine Perondi Universidade do Oeste de Santa Catarina- UNOESC
  • Mariana Matté Universidade do Oeste de Santa Catarina- UNOESC
  • Rodrigo Fuga Varela Universidade do Oeste de Santa Catarina- UNOESC
  • Cassius Rebelatto Universidade do Oeste de Santa Catarina- UNOESC
  • Leandro José Dallanora Universidade do Oeste de Santa Catarina- UNOESC
  • Leonardo Flores Luthi Universidade do Oeste de Santa Catarina- UNOESC

Resumo

Moldagem em prótese total (PT) é um conjunto de atos clínicos que visam obter a impressão da área basal, por meio de materiais próprios e moldeiras adequadas, com o fim de obter um molde que represente o negativo das estruturas de interesse. O objetivo no presente estudo é realizar uma revisão de literatura mostrando a moldagem funcional em PT utilizando material Impregum (poliéter). Essa revisão foi realizada buscando material na base de dados Scielo. A principal finalidade da moldagem funcional é obter a retenção do futuro aparelho, com um bom assentamento da base da PT sobre a área basal, resultando em conforto ao paciente. Para obter resultados satisfatórios nas moldagens em PT, é necessária a confecção de moldeiras individuais, as quais devem ser provadas em boca, executando toda a movimentação da musculatura periférica a fim de não ocorrer deslocamento. O objetivo dessas moldeiras é receber o material para moldagem funcional a fim de obter a mais perfeita reprodução da área basal. Muitos materiais têm sido descritos, porém todos possuem vantagens e desvantagens, que devem ser analisadas como um todo, com a finalidade de poderem ser eleitos. Os materiais à base de borracha são muito utilizados, estando presentes em quatro tipos básicos: silicone de condensação e de adição, polissulfeto e poliéter, os quais do ponto de vista clínico são materiais excelentes, pois possuem mínimas alterações dimensionais, permitindo uma moldagem rápida e de fácil manuseio. O poliéter é um material rígido, com menor resistência ao rasgamento e deformação, é hidrofílico e possibilita vários vazamentos. Suas desvantagens são o curto tempo de trabalho, o alto custo, a grande viscosidade, a compressão contra os tecidos de suporte e o fato de requerer alívios nas áreas retentivas. É fornecido em diferentes viscosidades e com dispensadores automáticos, contém uma pasta-base com polímero de poliéter e uma pasta aceleradora.

Palavras-chave: Prótese total. Técnica de moldagem odontológica. Materiais para moldagem odontológica.

Biografia do Autor

Tailine Perondi, Universidade do Oeste de Santa Catarina- UNOESC
Odontologia - Aréa de Ciências Biológicas e da Saúde
Mariana Matté, Universidade do Oeste de Santa Catarina- UNOESC
Odontologia - Aréa de Ciências Biológicas e da Saúde
Rodrigo Fuga Varela, Universidade do Oeste de Santa Catarina- UNOESC
Odontologia - Aréa de Ciências Biológicas e da Saúde
Cassius Rebelatto, Universidade do Oeste de Santa Catarina- UNOESC
Odontologia - Aréa de Ciências Biológicas e da Saúde
Leandro José Dallanora, Universidade do Oeste de Santa Catarina- UNOESC
Odontologia - Aréa de Ciências Biológicas e da Saúde
Leonardo Flores Luthi, Universidade do Oeste de Santa Catarina- UNOESC
Odontologia - Aréa de Ciências Biológicas e da Saúde
Publicado
11-09-2018
Como Citar
Perondi, T., Matté, M., Varela, R. F., Rebelatto, C., Dallanora, L. J., & Luthi, L. F. (2018). Moldagem funcional em prótese total utilizando material impregum (poliéter). Ação Odonto. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/acaodonto/article/view/17209
Seção
Resumo Categoria III