Princípios do funcionamento do raio X no âmbito odontológico

  • Waleska Tychanowicz Kolodziejwski
  • Andressa Hoffelder
  • Annelisa Weiss
  • Carolina Lúcia Milani
  • Louise Eduarda Olkoski
  • Nicolly Bonai
  • Claudia Irene Wesoloski

Resumo

Radiografia é o processo de formação de uma imagem baseada na transmissão de raios X (RX) por meio do tecido-alvo. São radiações de alta energia originadas de interações eletrônicas, que em razão da sua característica tem um alto poder de penetração nos tecidos. O objetivo com o trabalho foi apresentar os componentes do tubo de raios X e suas funções. Trata-se de um levantamento bibliográfico baseado em livros de radiologia. O dispositivo que gera RX é chamado de tubo de Coolidge, este é oco e evacuado. Possui um cátodo incandescente que é composto por filamentos de tungstênio, o qual, quando aquecido por uma corrente elétrica de miliamperagem (mA), gera um fluxo de elétrons de alta energia. Estes são acelerados por uma diferença de potencial entre a mA e a kilovoltagem, atingindo, assim o anteparo, produzindo a radiação. O tubo de RX consiste basicamente em uma cápsula, podendo ser de vidro ou metal, envolta por uma cúpula que a sustenta, isola e protege do meio externo, sendo revestida de chumbo, exceto a janela de vidro não plumbífera, a qual é designada para a saída do RX. A produção deste gera muito calor, necessitando de um sistema de resfriamento, que é composto de óleo mineral, o qual, além de resfriar, atua como isolante térmico. Uma vez o tubo resfriado e liberado para funcionamento, a produção de raios X se inicia. Na área atingida no ânodo ocorrem interações para a produção de RX. Essa energia de movimento adquirida com a aceleração dos elétrons pode ser transferida para o ânodo na forma de energia térmica ou eletromagnética, diminuindo a velocidade dos elétrons até pararem. Conclui-se que o bom conhecimento do funcionamento e da formação de RX por parte do cirurgião-dentista se faz necessário, uma vez que a utilização de aparelhos de RX é essencial para o completo diagnóstico odontológico.

Palavras-chave: Radiologia. Corrente elétrica. Raios X. Odontologia.

Referências

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Anatomia de um tubo para radiologia convencional e emissão termoiônica. Técnico em radiologia/Ministério da Saúde. Disponível em:< http://rle.dainf.ct.utfpr.edu.br/hipermidia/index.php/radiologia-convencional/tecnologia-e-funcionamento-dos-equipamentosrx/tubo-de-raios-x/anatomia-de-um-tubo-de-raios-x>. Acesso em: 29 set. 2017.

WATANABE, Plauto Christopher Aranha; ARITA, Emiko Saito. Imunologia e radiologia odontológica. 1. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012. 500 p.

WHAITES, Eric. Princípios de radiologia odontológica. 4. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

WHITE, Stuart C.; PHAROAH, Michael J. Radiologia oral: fundamentos e interpretação. 7. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015. 696 p.

Publicado
14-03-2018
Como Citar
Kolodziejwski, W. T., Hoffelder, A., Weiss, A., Milani, C. L., Olkoski, L. E., Bonai, N., & Wesoloski, C. I. (2018). Princípios do funcionamento do raio X no âmbito odontológico. Ação Odonto, (2). Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/acaodonto/article/view/16018
Seção
Resumo Categoria II