Fratura de côndilo mandibular direito – relato de caso clínico

  • Catiane Moterle UNOESC- Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Guilherme Barella UNOESC- Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Maicon Douglas Pavelsky UNOESC- Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Tharzon Barbieri UNOESC- Universidade do Oeste de Santa Catarina

Resumo

As fraturas de mandíbula podem ser causadas por acidentes de trabalho, traumas e processos patológicos. A conduta cirúrgica é definida pelo tipo de fratura e sua localização. No estudo tem-se como objetivo descrever um relato de caso clínico de fratura de côndilo mandibular. Paciente A. A. R., 40 anos, sofreu um acidente de trabalho com fratura de côndilo mandibular direito, e o tratamento proposto foi a redução e osteossíntese da fratura, sob anestesia geral. Previamente, o paciente foi medicado com antibiótico (Kefazol®), anti-inflamatório (cetropofeno), analgésico (dipirona), intubação nasotraqueal, anestesia local com 0,6 ml de lidocaína 2%, com adrenalina de 1:200.000. Um acesso cirúrgico extraoral retromandibular foi indicado para expor todo o ramo detrás da borda posterior da mandíbula, a 0,5 cm abaixo do lóbulo da orelha e inferiormente de 3 a 3,5 cm. A incisão foi realizada com bisturi elétrico através da pele, dos tecidos subcutâneos, do músculo platisma até a cinta pterigomassetérica, com divulsão dos tecidos para expor a área de interesse de fratura. Nessa abordagem de tratamento foi necessário tracionar o ramo da mandíbula em razão de ele estar situado medialmente. Uma técnica é aplicar um parafuso ósseo bicortical de 16 mm de comprimento e um fio de aço que serve para tracionar a mandíbula inferiormente. Para osteossíntese, usou-se uma placa reta de titânio de cinco furos de 2.0 mm com quatro parafusos de 2.0 x 5 mm. A sutura interna foi realizada por planos com fio absorvível Vicryl® 5-0 do músculo masseter, cápsula da parótida e, por fim, intradérmica. A medicação do pós-operatório foi endovenosa, com omeprazol 40 mg, cetorofeno 100 mg, kefazol 1 g, plasil 10 mg, dipirona 500 mg e tramadol 50 mg, além de bochecho com antisséptico, higiene oral, dieta líquida e fria. O sucesso das cirurgias de fraturas de face depende da conduta clínica, redução correta da fratura e fixação interna rígida.

Palavras-chave: Acidentes. Fratura. Cirurgia.


 

Biografia do Autor

Catiane Moterle, UNOESC- Universidade do Oeste de Santa Catarina

FRATURA DE CÔNDILO MANDIBULAR DIREITO - RELATO DE CASO CLÍNICO

MOTERLE, Catiane;

BARELLA Guilherme;

                 PAVELSKI, Maicon Douglas;

BARBIERI, Tharzon.

Curso: Odontologia

                                                                      Área do conhecimento: Área das Ciências da Vida

As fraturas de mandíbula podem ser causados por acidentes de trabalho, trauma, por processos patológicos, a conduta cirúrgica é definida pela tipo de fratura e sua localização. O estudo tem como objetivo descrever um relato de caso clínico de fratura de côndilo mandibular. Paciente A. A. R. 40 anos, sofreu um acidente de trabalho, com fratura de côndilo mandibular direito, o tratamento proposto foi a redução e osteossíntese da fratura, sob anestesia geral. Previamente, o paciente foi medicado com antibiótico (Kefazol®), anti-inflamatório (cetropofeno), analgésico (dipirona) e intubação nasotraqueal, anestesia local com 0,6 ml de lidocaína 2% com adrenalina de 1:200.000. Um acesso cirúrgico extraoral retromandibular foi indicado para expor todo o ramo por detrás da borda posterior da mandíbula, a 0,5 cm abaixo do lóbulo da orelha e inferiormente de 3 a 3,5 cm, a incisão foi realizada com bisturi elétrico através da pele, dos tecidos subcutâneos, músculo platisma até a cinta pterigomassetérica, com divulsão dos tecidos para expor a área de interesse de fratura. Nesta abordagem de tratamento, foi necessário tracionar o ramo da mandíbula devido estar situado medialmente, uma técnica é aplicar um parafuso ósseo bicortical de 16 mm de comprimento e um fio de aço que serve para tracionar a mandíbula inferiormente. Para osteossíntese, usou-se uma placa reta de titânio de 5 furos de 2.0 mm com 4 parafuso de 2.0 x 5 mm. Sutura interna por planos com fio absorvível Vicryl® 5-0 do músculo masseter, cápsula da parótida e por fim intradérmica na pele. Medicação pós operatório endovenosa omeprazol 40 mg, cetorofeno 100 mg, Kefazol 1 g, Plasil 10 mg, Dipirona 500 mg, Tramadol 50 mg, bochecho com antisséptico, higiene oral, dieta líquida e fria. O sucesso das cirurgias de fraturas de face depende da conduta clínica, redução correta da fratura e fixação interna rígida.

Palavras chaves: Acidentes. Fratura. Cirurgia.

catianemoterle@hotmail.com

tharzon.barbieri@unoesc.edu.br

Publicado
14-03-2018
Como Citar
Moterle, C., Barella, G., Pavelsky, M. D., & Barbieri, T. (2018). Fratura de côndilo mandibular direito – relato de caso clínico. Ação Odonto, (2). Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/acaodonto/article/view/15970
Seção
Resumo Categoria III