Avaliação das técnicas de higiene bucal nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) da Macrorregional de Saúde do Meio-Oeste catarinense e sugestão de protocolo

  • Karine Menegazzo Universidade do Oeste de Santa Catarina UNOESC Joaçaba
  • Antônio Sérgio Durigon Universidade do Oeste de Santa Catarina UNOESC Joaçaba
  • Marta Diogo Garrastazu Universidade do Oeste de Santa Catarina UNOESC Joaçaba

Resumo

Pacientes internados nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) possuem a saúde geral e a imunidade debilitadas, ficando mais suscetíveis a doenças infecciosas e sistêmicas, as quais comprometem especialmente os sistemas cardíaco e respiratório. Essas complicações podem agravar o quadro clínico de saúde, aumentando o risco de morte. A origem e o efeito metastático dessas infecções podem ter origem na infecção primária da cavidade bucal. O presente estudo trata-se de uma pesquisa observacional transversal analítica e teve como objetivo sugerir um protocolo de Higiene Bucal (HB) para pacientes hospitalizados e ressaltar a importância da inserção do cirurgião-dentista (CD) no ambiente hospitalar. O protocolo de HB foi elaborado por meio da aplicação e avaliação de um questionário e da revisão de literatura científica sobre o tema. Para delimitação da amostra foi selecionada a macrorregional de Saúde do Meio-Oeste de Santa Catarina (UTI adultos/Especializada), que compreende Joaçaba, SC. O instrumento de pesquisa constou de 99 enfermeiros e técnicos de enfermagem que realizavam a higiene bucal em UTIs, e a análise de dados foi realizada pelo software SPSS 22 e pelo Teste do Qui-Quadrado. Os resultados demonstraram a falta de padronização na execução da higiene bucal, não havendo protocolo específico nesses hospitais. A clorexidina foi padrão como método auxiliar de HB nessas UTIs. A atuação do CD foi mínima ou inexistente, demonstrando a necessidade da atuação multidisciplinar da odontologia hospitalar. Visando aperfeiçoar o atendimento e melhorar a qualidade de vida desses pacientes de UTI, o protocolo será disponibilizado a todos os hospitais participantes.

Palavras-chave: Promoção da saúde. Unidade de Terapia Intensiva. Prevenção primária.

Biografia do Autor

Karine Menegazzo, Universidade do Oeste de Santa Catarina UNOESC Joaçaba
Desejo submeter a revista ciência e saúde.

Referências

BASTOS, Poliana Lima et al. Métodos de higienização em próteses dentais removíveis: Uma revisão de literatura. Revista Bahiana de Odontologia. Bahia, pg.129-137, ago. 2015. Disponível em:< https://www5.bahiana.edu.br/index.php/odontologia/article/viewFile/683/515>. Acesso em: 5 mar. 2017.

CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA (CFO). Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, RJ, 03 nov. 2015. Seção 1, p. 167. Disponível em: <http://cfo.org.br/wp-content/uploads/2015/12/ResolucaoCFO-162-15.pdf>. Acesso em: 05 mar. 2017.

DORO, Guilherme Manfio et al. Projeto "Odontologia Hospitalar". Revista Abeno, v.6, n.1, jan/jun. 2006. Disponível em:<http://abeno.org.br/ckfinder/userfiles/files/revista-abeno-2006-1.pdf>. Acesso em: 27 abr. 2017.

FRANCO, Juliana Bertoldi el al. Higiene bucal para pacientes entubados sob ventilação mecânica assistida na unidade de terapia intensiva: proposta de protocolo. Arq Med Hosp Fac Cienc Med Santa Casa São Paulo. São Paulo, pg. 126-31. 2014. Disponível em:<http://www.fcmsantacasasp.edu.br/images/Arquivos_medicos/2014/59_3/05-AO74.pdf>. Acesso em: 28 mar. 2017.

Publicado
20-03-2018
Como Citar
Menegazzo, K., Durigon, A. S., & Garrastazu, M. D. (2018). Avaliação das técnicas de higiene bucal nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) da Macrorregional de Saúde do Meio-Oeste catarinense e sugestão de protocolo. Ação Odonto, (2). Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/acaodonto/article/view/15139
Seção
Artigo original/pesquisa